Era a primeira pescaria de Célio, de 10 anos, e ele olhava receoso para o balde de iscas parecendo hesitar em começar. Finalmente, ele disse ao meu marido: “Ajude-me, eu-T-P-D-M!”. Então, meu marido lhe perguntou qual era o problema, Célio respondeu: “T-P-D-M! — Tenho pavor de minhocas!” Seu medo o incapacitava para agir.

O medo pode paralisar os homens crescidos também. Gideão deve ter ficado com medo quando o anjo do Senhor veio a ele  enquanto estava “malhando o trigo no lagar, para o pôr a salvo dos midianitas” (v.11). O anjo lhe disse que ele tinha sido escolhido por Deus para liderar o Seu povo na batalha (vv.12-14).

Qual foi a resposta de Gideão? “Ai, Senhor meu! Com que livrarei Israel? Eis que a minha família é a mais pobre em Manassés, e eu, o menor na casa de meu pai” (v.15). Depois de ter se assegurado da presença do Senhor, Gideão ainda parecia temeroso e pediu sinais de que Deus o usaria para salvar Israel como Ele tinha prometido (vv.36-40). E Deus atendeu aos pedidos de Gideão. Os israelitas tiveram sucesso na batalha e tiveram paz por 40 anos.

Todos nós temos medos de vários tipos, desde minhocas até a guerras. A história de Gideão nos ensina que podemos estar confiantes de que se Deus nos pede para fazer algo, Ele nos dará a força e o poder para efetuá-lo.