Cresci num lugar conhecido por seus belos lagos e gostava de acampar para apreciar as maravilhas da criação de Deus. Mas dormir numa tenda frágil não era a minha parte favorita dessa experiência, especialmente quando chovia durante a noite e a barraca tinha goteiras que deixavam o saco de dormir encharcado.

Admiro um dos heróis de nossa fé que passou cem anos em tendas. Quando tinha 75 anos, Abraão ouviu o chamado de Deus para deixar seu país para que o Senhor pudesse fazer dele uma nova nação (vv.1,2). Abraão obedeceu, confiando que Deus cumpriria a Sua promessa. E no restante dos seus dias, até morrer aos 175 anos (Gênesis 25:7), ele viveu em tendas longe de seu país de origem.

Talvez não tenhamos o mesmo chamado que Abraão para viver como nômade, mas mesmo ao amarmos e servirmos neste mundo e às pessoas nele, ainda assim, podemos ansiar por ter um lar, por ter raízes aqui na Terra. E como Abraão, quando o vento açoitar a nossa frágil cobertura ou a chuva encharcar a “nossa tenda”, poderemos olhar com fé para a cidade vindoura, “da qual Deus é o arquiteto e edificador” (Hebreus 11:10). E, como este servo, podemos ter a esperança de que Deus está agindo para renovar a Sua criação, preparando “uma pátria superior, isto é, celestial (v.16).