“Eu vejo você”, disse uma amiga num grupo on-line de escritores, no qual nos apoiamos e encorajamos uns aos outros. Como tinha me sentido estressada e ansiosa, experimentei uma sensação de paz e bem-estar com as suas palavras. Ela “viu” minhas esperanças, medos, lutas e sonhos e demonstrou amor.

Quando ouvi o incentivo simples, mas poderoso dessa amiga, pensei em Agar, uma escrava na casa de Abrão. Depois de muitos anos de Sarai e Abrão ansiarem por um herdeiro, Sarai seguiu um costume de sua cultura e disse ao marido para conceber utilizando-se da escrava Agar. Mas quando Agar engravidou, ela tratou Sarai com desprezo. Quando Sarai revidou tal afronta, Agar fugiu para longe, para o deserto.

O Senhor viu Agar em sua dor e confusão, e abençoou-a com a promessa de que ela seria a mãe de muitos descendentes. Depois desse encontro com o Anjo do Senhor, Agar chamou o Senhor “El Roi”, que significa “o Deus que vê” (v.13), pois ela sabia que não estava sozinha ou abandonada.

Como Agar foi vista e amada, nós também somos. Podemos nos sentir ignoradas ou rejeitadas por amigos ou familiares, no entanto, sabemos que nosso Pai não vê apenas o rosto que apresentamos ao mundo, mas todos os nossos sentimentos e medos secretos. Ele fala as palavras que nos trazem vida.