Às vezes parece que tenho um relacionamento ruim — comigo mesma! Sempre que eu, como escritora, inicio um parágrafo, a minha porção de editora me interrompe. “Não, não, não. Não escreva dessa maneira! Por que você é sempre tão negativa?” Ou, “O que a faz pensar que tem algo importante a dizer?”

Antes de terminar um único pensamento, o meu ego já rasgou a página em pedaços. Este é um ritual muito cansativo, e muito comum à condição humana.

Satanás gosta de nos distrair com críticas e nos incita a agir da mesma maneira em relação aos outros e a nós mesmos. Julgamos de forma prematura e queremos corrigir os outros antes de saber o que estão dizendo. O sacerdote Eli agiu dessa maneira quando Ana estava chorando diante de Deus. Ele interrompeu a oração dela, acusando-a de estar embriagada (1 Samuel 1:12-14).

Mas Deus permite que derramemos nossos corações diante dele em completa honestidade (Salmo 62:8). Na verdade, os salmos indicam que quando expressamos nossas dúvidas e temores, Deus os resolve. Muitos salmos que iniciam com palavras de desespero terminam em louvor (22; 42; 60; 69; 73).

Quando uma batalha estiver sendo travada em seu íntimo, derrame sua alma diante do Senhor (1 Samuel 1:15). Ele pode dar um sentido àquilo que parece sem sentido.