Nos tempos coloniais da América do Norte, William Penn era reconhecido como uma pessoa benevolente por lidar de forma justa com os americanos nativos. Quando retornou à Inglaterra, seus filhos, que não compartilhavam dessa integridade, permaneceram lá e tramaram um esquema para enganar uma tribo americana.

Apresentaram um contrato antigo, no qual os índios haviam concordado em vender a porção de terra que um homem pudesse caminhar num dia e meio. Os filhos de Penn se alegraram. Empregaram três dos corredores mais velozes que encontraram. Um dos homens percorreu 104 quilômetros em 18 horas. Eles desconsideraram totalmente o texto e a essência do acordo.

Nos dias de Jesus, os escribas e fariseus arrumaram desculpas para violar a essência da lei de Deus. Jesus demonstrou essa prática hipócrita quando citou o mandamento de Moisés: “…Honra a teu pai e a tua mãe…” (Marcos 7:10-13). Eles estavam declarando uma parte de seus ganhos como “oferta dedicada a Deus” a fim de não usá-la para cuidar de seus pais idosos.

A Bíblia não é um instrumento para conseguirmos o que queremos, mas precisamos pedir a Deus que nos ajude a compreender os Seus propósitos. Vamos nos assegurar de não negligenciarmos os “…preceitos mais importantes da Lei: a justiça, a misericórdia e a fé…” (Mateus 23:23).