Categoria  |  Pão Diário

A fonte da sabedoria


Um homem processou uma mulher, alegando que ela estava com o cachorro dele. No tribunal, a mulher afirmou que o cachorro não poderia ser dele e contou ao juiz onde o havia comprado. A verdadeira identidade do proprietário foi revelada quando o juiz soltou o animal na sala. Balançando a cauda, ele correu imediatamente em direção ao homem!


Ainda meu Rei


Um repórter o chamou de “o dia mais mortal para os cristãos em décadas”. Os dois ataques de abril de 2017 contra cristãos que se reuniam nesse domingo, no Egito, desafiam nosso entendimento. Não temos uma categoria para descrever tal “banho” de sangue. Porém, podemos contar com a ajuda daqueles que conhecem essa dor.


Veja a sua cidade


“Vejam a nossa cidade como a vemos.” Um grupo de desenvolvimento urbano usou esse slogan para lançar sua visão sobre o futuro da sua própria cidade. Mas o projeto parou quando os membros da comunidade perceberam que faltava algo na campanha. Apesar de os afro-americanos serem a maioria da população e da mão de obra da cidade, não apareciam nos anúncios que apresentavam apenas o rosto de pessoas brancas e que pediam que todos vissem a cidade como eles viam.


De alguma maneira: Esperança


Entre as centenas de artigos que escrevi para o Pão Diário desde 1988, alguns ficaram em minha mente. Um desses é da década de 90, quando escrevi sobre um período em que nossas três meninas viajaram para um acampamento ou missão, e Estevão, de 6 anos, e eu tivemos um “dia de meninos”.


Viva com propósito


Ester é uma jovem que se vê diante de uma encruzilhada. Seu povo estava ameaçado por um plano maligno de um oficial do rei. Ela fora escolhida a rainha do império Persa e precisava escolher entre viver conforme suas convicções e interferir, ou se deixar levar pelo mar da vida, por receio de ser mal compreendida. E escolheu viver o propósito para o qual Deus a colocara naquele tempo e lugar.


Esperança na escuridão

Conta a lenda que Qu Yuan era um sábio patriota, funcionário do governo, que viveu durante o Período dos Estados Combatentes (475–246 a.C.). Ele tentou alertar repetidamente o rei sobre uma ameaça que destruiria o país, mas o rei rejeitou o seu conselho. Por fim, Qu Yuan foi exilado. Quando soube da queda de seu amado país diante do inimigo, sobre o qual ele os tinha alertado, suicidou-se.


Concordando em discordar

Lembro-me de ouvir meu pai falar sobre a dificuldade de vencer os argumentos relacionados às diferentes interpretações da Bíblia. Em contrapartida, ele se lembrava de que era ótimo quando ambos os lados concordavam em discordar.


Entendendo a gratidão

Os anos de cansaço causados pela dor crônica e frustrações com a minha mobilidade limitada finalmente me afetaram. Em meu descontentamento, tornei-me exigente e ingrata. Passei a reclamar dos cuidados do meu marido, e a me queixar até da forma como ele limpava a casa. Embora ele seja o melhor cozinheiro que conheço, eu reclamava até da falta de variedade em nossas refeições. Quando ele confessou o quanto eu o magoava, eu me ressenti. Ele não fazia ideia do que eu estava vivendo. Por fim, Deus me ajudou a ver meus erros, e eu pedi perdão ao meu marido e ao Senhor.


Do jeito dele, não do meu

Kamil e Joelle ficaram arrasados quando a filha de 8 anos foi diagnosticada com uma forma rara de leucemia. A doença gerou complicações como a meningite e um acidente vascular, e a garota entrou em coma. Os médicos aconselharam os pais a preparar o funeral de Rima, dando a ela menos de 1% de chance de sobreviver.


Bondade inesperada

Minha amiga esperava na fila do supermercado quando o homem à sua frente lhe entregou um vale-compras que cobria a maior parte de sua conta. Ainda atordoada, ela caiu no choro por sua bondade; e depois até riu de si mesma por ter chorado. Aquele ato inesperado de bondade tocou seu coração e lhe deu esperança naquele período de extremo cansaço. Ela agradeceu ao Senhor por tê-la alcançado por meio de outra pessoa.


O grande clímax

Aprendi com meus pais a amar todos os tipos de música, do country ao clássico. Assim, meu coração acelerou quando entrei no Conservatório de Moscou, um dos grandes teatros da Rússia, para ouvir a Sinfônica Nacional. À medida que o maestro conduzia os músicos numa bela obra de Tchaikovsky, os temas atingiam gradualmente um profundo e dramático clímax musical. Nesse momento mágico, o público levantou-se para aplaudir em aprovação.


Onde está a paz?

Ao perguntarem a Bob Dylan: —Você ainda espera pela paz?, ele respondeu: “Não haverá paz”. A resposta dele gerou críticas. No entanto, a paz continua uma ilusão.