Categoria  |  Pão Diário

Sem desculpas

As pessoas têm muitas razões para rejeitar o evangelho. Uma delas é o fato de os cristãos terem ou não feito algo. Esses críticos dizem: “Conheço um cristão que me tratou muito mal”, ou “Quando fui à igreja, ninguém falou comigo.”

Mudando a história

Hoje podemos telefonar e enviar emails para qualquer lugar do mundo e baixar imagens através do espaço em nossos computadores. Por isso é difícil imaginar a importância de um pequeno satélite.

Lentes quebradas

Comecei a usar óculos aos dez anos. Eles ainda continuam a ser uma necessidade, porque meus olhos de 60 e poucos anos estão perdendo a batalha contra o tempo. Quando jovem, eu achava chato ter de usá-los — especialmente quando praticava esportes. Certa vez, as lentes de meus óculos quebraram enquanto eu jogava futebol. Demorou algumas semanas até eu receber outras. Durante aquele período, eu enxergava tudo de forma embaçada e distorcida.

Jesus é exclusivo?

Certa vez, vi a filha de Billy Graham — Anne Graham Lotz — num programa de entrevistas. O entrevistador perguntou: “Você crê que Jesus é o único caminho para o céu?” E acrescentou: “Você sabe como as pessoas ficam bravas com isso!” Sem sequer piscar os olhos, ela respondeu: “Jesus não é exclusivo. Ele morreu para que qualquer um possa vir a Ele e obter a salvação.”

Cante!

Nossa casa fica perto de um parque onde costumo caminhar todas as manhãs. Uma senhora de idade também passeia por ali, no mesmo horário. Ela caminha no sentido horário, e eu no sentido anti-horário, o que significa que nos encontramos duas vezes a cada volta. Seus olhos são amáveis e sua face já é cansada por causa da idade.

Não reme

Durante um piquenique, num lago, a noiva de Ole, chamada Bess, lhe disse que desejava muito tomar um sorvete. Por causa disso, esse jovem imigrante norueguês fez uma viagem de oito quilômetros com um barco a remo, para comprar-lhe o doce. Quando chegou, estava exausto, e com um recipiente cheio de sorvete derretido, Ole disse a si mesmo que deveria haver uma maneira mais fácil. Ele colocou sua mente de mecânico para funcionar e, um ano mais tarde, em 1907, Ole Evinrude testou o seu motor para pequenos barcos, leve e desmontável. Casou-se com Bess e, quando os motores de popa começaram a ser produzidos, ela escreveu o slogan da propaganda: “Não reme! Jogue os remos fora!”

Marcação sensata

Um paciente entrou num hospital para fazer uma amputação que lhe salvaria a vida. Mas acordou e percebeu que haviam amputado o pé errado. No mesmo hospital, outro paciente também teve uma cirurgia feita no joelho errado.

Cuidando dos outros

Quando nos dedicamos aos outros, manifestamos a essência do caráter de Jesus, pois Ele sempre agiu dessa forma — pensou mais nos outros do que em si mesmo. Que outra razão haveria para o Senhor tornar-se “…obediente até à morte e morte de cruz” (Filipenses 2:8)?

Semeadura e colheita

Naquele momento, eu parecia suficientemente inocente, pois tinha acabado de chegar da escola, e dissera para minha mãe que iria à casa de um amigo jogar futebol. Ela insistiu para que eu ficasse em casa e fizesse meus deveres escolares. Mas, em vez disso, saí pela porta dos fundos e passei as duas horas seguintes jogando no quintal de meu amigo. Na última jogada, no entanto, me derrubaram e quebrei o meu dente da frente. Quase enlouqueci de dor, mas o pior foi contar aos meus pais o que tinha ocorrido.

Jesus nos liberta

Talvez, desde os tempos do apóstolo Paulo, ninguém tenha descrito a experiência da escravidão espiritual como o grande teólogo Agostinho (354–430 d.C.). Embora ele tenha sido abençoado com extraordinária inteligência, nos anos da sua juventude, entregou-se à profunda depravação.

Paraíso dos mosquitos

Os construtores do canal do Panamá superaram enormes desafios: mover toneladas de terra, redirecionar o rio e derrubar quilômetros de florestas. Mas um pequenino mosquito ameaçava acabar com todo o projeto. O Istmo do Panamá era um lugar ideal para a procriação dessa peste. Quando os mosquitos infectaram muitos trabalhadores no canal com febre amarela e malária, o número de mortos aumentou.

Levantem-se!

Quando pedi ao meu esposo para comprar ovos antes de chegar em casa para fazermos pão de milho para o jantar, ele disse: “Tenho algo melhor do que pão de milho.” Essas palavras vindas dele foram surpresa para mim. Mas logo entendi o que ele quis dizer quando entrou em casa e entregou-me um pão caseiro, de canela. No papel, uma etiqueta dizia: “Obrigada pela ajuda. Estávamos precisando.” O pão havia sido feito por uma amiga e fora dado como agradecimento pela doação que tínhamos feito a uma organização de jovens.