Categoria  |  Pão Diário

Tudo entregarei

James O. Fraser (1886–1938) escolheu não continuar como pianista de concertos na Inglaterra para servir o povo Lisu na China, enquanto o americano Judson Van DeVenter (1855-1939) optou por se tornar um evangelista em vez de seguir uma carreira artística. Mais tarde, DeVenter escreveu o hino “Tudo entregarei” (CC 295).

Os lugares mais profundos

Victor Hugo (1802–85), poeta e romancista durante as turbulências sociais e políticas da França do século 19, talvez seja mais conhecido por seu clássico Os Miseráveis (Martin Claret, 2014). Mais de um século depois, a adaptação musical de seu romance tornou-se uma das produções mais populares da nossa geração. Isso não deveria nos surpreender. Como Hugo disse: “A música expressa o que não pode ser dito e sobre o que é impossível silenciar”.

Corramos para transmitir

A maratona moderna é baseada na história de um mensageiro grego, Fidípedes. Diz a lenda que, em 490 a.C., ele correu aproximadamente 40 quilômetros de Maratona até Atenas para anunciar a vitória dos gregos sobre o grande inimigo, os invasores persas. Hoje, as pessoas correm maratonas para autossatisfação, pela conquista da prova. No entanto, Fidípedes tinha um propósito maior por trás de seu esforço: cada passo seu era executado por pura alegria de transmitir boas notícias aos seus patrícios!

Peixes pequenos

Um casal britânico que morou na África Ocidental, por muitos anos, desenvolveu grande amizade com um homem da cidade e muitas vezes compartilhou o amor de Jesus e a história da salvação com ele. No entanto, este amigo relutava em abandonar sua fidelidade à outra religião, mesmo tendo reconhecido que a fé em Cristo era “a maior verdade”. Sua preocupação era parcialmente financeira, já que ele era um líder em sua fé e dependia do salário que recebia. Ele também temia perder sua reputação entre as pessoas de sua comunidade. Com tristeza, ele explicou: “Sou como um homem pescando com as mãos em um córrego. Peguei um peixe pequeno em uma mão, mas um peixe maior está nadando. Para pegar o peixe maior, tenho que deixar que o menor se vá!”.

Pegadas de Deus

Nosso neto de 4 anos disse à vovó: “Sei onde Deus mora”. Curiosa ela lhe perguntou: “Onde?”. A resposta dele foi: “Na floresta ao lado da sua casa”. Quando Cari me contou, ela buscava o motivo para essa resposta. Eu lhe contei que quando passeávamos na floresta na última visita dele, eu lhe dissera que, embora não pudéssemos ver Deus, podemos ver o que Ele fez. Aproveitei e perguntei ao meu neto, enquanto passávamos por um lugar arenoso: “Você vê as pegadas que estou deixando? Os animais, as árvores e o rio são como as pegadas de Deus. Sabemos que Ele esteve aqui porque podemos ver as coisas que o Criador fez”.

Fé inabalável

Diane Dokko Kim e seu marido sofreram pela perspectiva de passar a vida inteira cuidando de seu primeiro filho que nascera com autismo. Em seu livro Unbroken Faith (Fé inabalável), ela admite ter dificuldades em ajustar os seus sonhos e expectativas ao futuro de seu filho. Nesse processo, o casal aprendeu que Deus pode lidar com suas raivas, dúvidas e medos. Agora, o filho é quase adulto e ela encoraja os pais de crianças com necessidades especiais, compartilha sobre as promessas e amor divino, assegurando-lhes que Deus permite que lamentemos ao experimentarmos a morte de: um sonho, expectativa, caminho ou fase da vida.

Um legado de aceitação

Em seu livro Breaking Down Walls (Quebrando as paredes), Glen Kehrein escreveu sobre subir ao telhado de seu dormitório universitário em Chicago, após o assassinato do ativista dos direitos civis Dr. Martin Luther King Jr., em 1968. “O som de tiros ecoou por entre os edifícios. E no telhado, tive uma vista quase panorâmica, mas horrível… Como eu fui de uma fazenda no interior para uma zona de guerra bem dentro da cidade de Chicago em menos de dois anos?”. Motivado por seu amor a Jesus e por pessoas de origens diferentes da sua, Kehrein permaneceu em Chicago até sua morte, em 2011, e liderou um ministério de acolhimento aos necessitados.

Mágico de Oz

Em O Maravilhoso Mágico de Oz (Zahar, 2013), Dorothy, o Espantalho, o Homem de Lata e o Leão Covarde retornam a Oz com tudo o que o grande Mago havia pedido. Em retribuição, ele concederia aos quatro os seus mais profundos desejos: para Dorothy, uma carona para casa; para o Espantalho, um cérebro; para o Homem de Lata, um coração e para o Leão Covarde, coragem. Mas o Mago, estático, diz-lhes para voltarem no dia seguinte.

Poderoso

Saybie nasceu “microprematura”, com 23 semanas e pesando 245 gramas. Os médicos duvidaram que ela sobreviveria e disseram aos pais que teriam provavelmente apenas uma hora com a filha. No entanto, Saybie continuou lutando. Um cartão perto de seu berço dizia: “Minúscula, mas poderosa”. E após 5 meses no hospital, saudável e com 2,5 quilos, Saybie foi milagrosamente para casa. Ela é recorde mundial: o menor bebê sobrevivente do mundo.

Todos os caminhos?

“Não entre na via expressa!” Essa foi a mensagem da minha filha, quando saí do meu trabalho, pois a estrada mais parecia um estacionamento. Comecei a tentar rotas alternativas, mas depois de enfrentar paralisações em outras estradas, desisti. A volta para casa teria que esperar até mais tarde. Então segui em direção oposta e fui a um evento esportivo em que minha neta participava.

A compaixão de Deus

Era uma gelada noite de inverno quando alguém jogou uma grande pedra pela janela do quarto de uma criança judia. Aquela janela exibia uma estrela de Davi, e o Menorá para celebrar Chanucá, o Festival Judaico das Luzes. Milhares de pessoas, muitas delas cristãs, responderam a esse ato odioso demonstrando compaixão. Elas optaram por se identificar com a dor e o medo de seus vizinhos judeus e colaram fotos do Menorá em suas próprias janelas.

Qual é a sua música?

A maioria dos norte-americanos conhece pouco sobre os pais fundadores de sua nação. Entretanto, em 2015, Lin-Manuel Miranda escreveu um hit musical sobre um deles, Alexander Hamilton. As crianças aprenderam sobre a história de Hamilton e agora cantam alegremente sobre esse herói em seus momentos de lazer.