O que você está fazendo aqui dentro, cara? Esta pergunta martelava em minha mente e refletia a minha incredulidade por ter ido tão longe e agora estar confinado numa prisão estadual.

A captura, as algemas, a delegacia, o julgamento, o juiz, a sentença — tudo parecia uma série de eventos típicos de pesadelos. Eu sabia que tudo isso tinha acontecido comigo mesmo, mas era como se eu estivesse nos bastidores assistindo a tudo acontecer. E enquanto tentava me adaptar a esta nova situação, aquela velha pergunta continuava martelando a minha mente, e parecia um visitante que não tinha sido convidado: “Cara, o que você está fazendo nessa prisão estadual?”.

Conforme o tempo passava, a dor, que era duplicada não apenas por perder minha liberdade, mas também por ser forçadamente separado das pessoas que eu amava significava que teria que aprender a viver com uma dor constante e cansativa. Há um antigo ditado na prisão que diz: “Todos choram durante a noite”. Não significa que choramos literalmente. Significa que todos carregam o peso dessas duas grandes perdas.

Caso você esteja lendo isso de dentro de um presidio, então você já conhece esta dor específica. Nosso desejo sincero é que hoje você receba o encorajamento verdadeiro e esperança. Acreditamos que há uma resposta à pergunta: O que você está fazendo aqui?

Jesus disse: “Venham a mim, todos vocês que estão cansados de carregar as suas pesadas cargas, e eu lhes darei descanso” (Mateus 11:28).

Descanso! Que grande promessa aos que estão cansados e sofrendo interiormente. Jesus estava ensinando que o verdadeiro descanso para a alma não é encontrado em um local específico, e sim em uma Pessoa. Mas para que a alma receba este descanso, você precisa compreender que ela está esgotada e sobrecarregada. E é em sua alma que acontece esta experiência dolorosa. Ainda que sua realidade atual pareça impossível, com toda a tristeza e dor que apresenta, ela pode acabar sendo exatamente o que vai guiá-lo ao maior tesouro de todos os tesouros.

A dor tem um propósito. Ela existe para nos alertar de que alguma coisa está errada. Por exemplo, se nós repentinamente sentimos uma dor profunda em nosso corpo, temos duas escolhas. Podemos ignorá-la e esperar que passe, ou podemos tomar uma decisão mais sábia e tentar descobrir o motive desta dor. Mas seja ela uma dor física ou emocional, com certeza, a dor tem um jeito especial de chamar nossa atenção, quando nada mais consegue fazê-lo. Jesus ensinou que nós só tomaremos atitudes com relação a algo se soubermos que há um problema. Ele também nos ensinou que a “dor espiritual” é um problema muito maior.

Eu também fui preso por roubo e agressão e sabia que o que eu tinha feito era errado, assim como também sabia que muitas de minhas outras atividades nas ruas eram incorretas. Porém, não estava convencido de que havia realmente um perigo real. Eu não via que as minhas ações estavam lentamente aumentando as possibilidades de eu ir para a prisão. Enganei-me pensando que não seria pego ou que de alguma forma me livraria das consequências. E quando as coisas finalmente desmoronaram, mesmo assim, eu ainda não reconhecia estes acontecimentos como a indicação de um problema mais sério.

Jamais alguém insinuou que o meu problema era espiritual; e se o dissessem, provavelmente eu teria caído na gargalhada. Eu acreditava em Deus como Criador, mas vivia como se não tivesse nenhum compromisso com Ele. Quanto à Bíblia? Nunca tinha lido! Eu achava que era apenas um livro misterioso sobre o qual as pessoas religiosas falavam. Não sabia que ela continha um diagnóstico tão preciso do meu problema, além dos alertas sobre os “sintomas” negativos que eu estava demonstrando. Alertas como:

“Porque todos nós temos de nos apresentar diante de Cristo para sermos julgados por ele. E cada um vai receber o que merece, de acordo com o que fez de bom ou de mau na sua vida aqui na terra” (2 Coríntios 5:10).

“Quem não tinha o seu nome escrito no Livro da Vida foi jogado no lago de fogo. […] Porém nela não entrará nada […] somente as pessoas que têm o seu nome escrito no Livro da Vida, o qual pertence ao Cordeiro” (Apocalipse 20:15; 21:27).

Texto de Lennie Spitale, extraído de Um momento de esperança — Encorajamento para quem está encarcerado.