A vida pode ser difícil de ser compreendida. Ao tentarmos lidar com as duras realidades de nossa existência, podemos facilmente nos frustrar. Ansiamos por respostas ao imenso problema do sofrimento. Talvez até nos perguntemos se algum dia entenderemos por que um jovem entra armado em uma escola pronto a disparar contra alunos indefesos. As respostas, muitas vezes, parecem ser evasivas ou estar ocultas ou fora de controle.

Sim, faz sentido o terrorista morrer em seu ataque, mas o que podemos dizer dos alunos, professores e outras pessoas presentes no momento do ataque a escola em Suzano, ocorrido em março/2019? As respostas são muito complexas. Também seria errado exigir que entendamos.

Mas Deus deu-nos algumas respostas. Embora não saibamos por que uma pessoa em particular foi vítima do ataque, podemos saber parte da razão por que existem estas situações.

 

“O sofrimento sem dúvida é um dos maiores desafios à fé cristã.” – John Stott  

 

Ao estudarmos a Bíblia, descobrimos que ela nos apresenta um Deus que pode fazer tudo o que escolhe fazer. Algumas vezes agiu com misericórdia e fez milagres em favor de Seu povo. Em outras ocasiões, porém, decidiu não fazer nada para evitar alguma tragédia. Supostamente, deveria estar intimamente envolvido em nossas vidas, mas às vezes, parece estar surdo aos nossos pedidos de ajuda. Na Bíblia, Ele nos assegura que controla tudo o que acontece, mas algumas vezes permite que sejamos o alvo de pessoas más, de maus genes, de vírus perigosos ou de desastres naturais.

Imagine um mundo sem dor. Como seria? Não mais dores, sensações ruins e desconfortos. Porém, não receberíamos um alerta sobre um osso quebrado, o desconforto de um tumor cancerígeno. Não sentiríamos mais a dor que nos adverte de uma apendicite.

Por mais que repudiemos a dor, devemos admitir que muitas vezes seu propósito é bom. Ela nos adverte quando algo está errado. A triste condição de nosso planeta indica que algo está terrivelmente errado. A aparente injustiça afeta profundamente cada um de nós.

 

“A Bíblia reconhece que a entrada do sofrimento e maldade neste mundo é resultado de uma magnífica, mas, ao mesmo tempo, terrível qualidade dos seres humanos – a liberdade” – Philip Yancey

 

A dor nos força além de nossas circunstâncias imediatas. Nós podemos olhar para o porvir; podemos suportar as nossas “sextas-feiras” e sermos capazes de olhar para elas como algo “bom”, porque servimos ao Deus do domingo.

Deus usa tais situações para guiar-nos a Ele e para termos uma visão de vida em longo prazo. Ele nos chama para termos confiança, esperança e para aguardarmos. O que podemos dizer das enfermidades, dos acidentes e da agonia emocional? Que tipo de benefício podemos obter disso? Será que o benefício realmente recompensa a dor? O sofrimento tem a sua maneira dramática de nos forçar a lidarmos com as questões mais profundas da vida. E ao sofrermos, crescemos mais fortes e adquirimos maturidade.

A dor e o sofrimento parecem ter uma habilidade especial para nos mostrar como necessitamos uns dos outros. Nossos problemas nos relembram como somos frágeis. Até mesmo a fraqueza dos outros pode nos sustentar quando nossa própria força se esgota.

 

“Não existe a cura mágica para a pessoa que está sofrendo. Ela precisa, com certeza do amor, pois o amor instintivamente detecta a necessidade” – Philip Yancey

 

O primeiro passo para enfrentar de forma realista o sofrimento é reconhecer que suas raízes originam-se no pecado. Você já reconheceu o quanto Jesus sofreu na cruz por você para libertá-lo da punição do pecado? Coloque sua confiança nele. Receba o dom gratuito de Seu perdão. Somente nele você encontrará a solução duradoura para a dor em sua vida e neste mundo.

Texto extraído e adaptado do livro Sofrimento, Por que Deus o permite? (Publicações Pão Diário, 2014).