O povo de Deus é duplamente filho de Deus: são Seus descendentes pela criação e filhos por adoção em Cristo. Portanto, eles têm o privilégio de chamá-lo “Pai nosso, que estás no céu”. Pai! Ah, que palavra preciosa esta! Aqui está a autoridade: “Se sou pai, onde está a minha honra?” Se você é filho, onde está a sua obediência? Aqui há carinho misturado com autoridade; uma autoridade que não provoca rebeliões; uma obediência exigida que é alegremente honrada – e que não seria negada, mesmo se pudesse. A obediência que os filhos de Deus devem a Ele deve ser uma obediência em amor. Não vão ao serviço de Deus como escravos ao seu feitor, mas correm no caminho de Suas ordens, porque é o caminho do seu Pai. Entregam seus corpos como instrumentos de justiça, porque justiça é a vontade de seu Pai, e a Sua vontade deve ser o desejo de Seus filhos. Pai! – Aqui está um atributo real tão docemente velado em amor, que a coroa do Rei é esquecida e Seu cetro se transforma, não numa vara de ferro, mas num cetro de prata de misericórdia – o cetro, na verdade, parece ter sido esquecido na mão suave daquele que exerce o poder. Pai! – Aqui está honra e amor. Como é bom o amor de um Pai por Seus filhos! O que a amizade não pode fazer e a mera benevolência não conseguiria, o coração e a mão de um Pai devem fazer por Seus filhos. Eles são Sua criação, Ele deve abençoá-los; eles são Seus filhos, Ele deve se mostrar forte em sua defesa. Se um pai terreno olha por seus filhos com amor e cuidado incessantes, quanto mais o nosso Pai celeste? Aba, Pai! Ele, que pode dizer isso, proferiu música melhor que querubins ou serafins podem alcançar. Há céu na profundidade daquela palavra – Pai! Há tudo o que podemos pedir; tudo que as minhas necessidades podem precisar; tudo que meus desejos podem desejar. Tenho tudo em tudo para toda a eternidade, quando posso dizer: “Pai”.

Devocional extraído de Dia a Dia Com Spurgeon – Manhã & Noite, clique aqui e adquira!