Assim corro também eu, não sem meta; assim luto, não como desferindo golpes no Mas esmurro o meu corpo e o reduzo à escravidão, para que, tendo pregado a outros, não venha eu mesmo a ser desqualificado. 1 Coríntios 9:26,27

Existe um conceito fortemente enraizado na igreja: a vida espiritual está separada da vida física da pessoa. Assim, o que acontece no físico pouco influencia o que ocorre no plano espiritual e vice-versa. Cristo, entretanto, definiu o grande mandamento como o dever de amar a Deus de todo o coração, de toda a alma, de todo o entendimento e com todas as forças (Marcos 12:30). Com isto, Ele deu a entender que cultivar um relacionamento com o Pai envolve a totalidade do nosso ser.

Paulo também compreendeu essa realidade. Ele sabia que o seu corpo podia ser um problema caso não o sujeitasse à vida espiritual. Isto não significa que, para o apóstolo, seu corpo fosse mau, mas compreendia que os efeitos da ação transformadora do Espírito Santo devem também afetar o nosso físico. Por esta razão, procurava disciplinar o corpo para este estivesse sujeito ao senhorio de Cristo.

Este princípio tem sentido? Pense nas seguintes situações: você decide fazer um jejum, mas em pouco tempo o seu estômago faz você sentir que não pode passar mais um minuto sem comer algo. Ou, quem sabe, você se propôs a levantar mais cedo e passar algum tempo a sós com Deus. Ao toque do despertador, seu corpo lhe avisa que precisa de mais duas horas de sono. Na igreja, você se levanta para o tempo de louvor e descobre como suas pernas estão cansadas. Nossos corpos, muitas vezes, têm a última palavra em nossas atividades espirituais. Eles se queixam, doem e se lamentam das exigências as quais os sujeitamos. A verdade é que temos corpos pouco acostumados ao sacrifício. Se você vive prestando atenção ao que ele lhe diz, pouco avançará nas disciplinas da vida espiritual.

O líder deve ser, por natureza, mais disciplinado e esforçado do que seus liderados. Esta é uma característica de uma pessoa capaz de guiar outros. Para você poder crescer na prática de uma vida disciplinada deve ensinar ao seu corpo que Jesus Cristo tem a última palavra. Subjugar e reduzi-lo à servidão é o mesmo que o conduzir por um caminho nada agradável, mas que lhe fará muito bem.

Para pensar:
Quais são as disciplinas físicas que você pratica para levar seu corpo a participar de sua vida espiritual? De que maneira Cristo é aquele que governa a vida física? Que passos é possível dar para subjugar seu corpo para de não vir a ser reprovado?

–Christopher Shaw (Meditação 21 de fevereiro)