Quando as preocupações da vida nos pressionam, poderia parecer mais fácil desejar a morte do que enfrentar a luta. Se você está sofrendo e buscando encontrar uma saída, por favor, continue lendo, pois há esperança para você!

Deus conhece o seu sofrimento. Conhece suas dúvidas e temores. Sabe que você tem dificuldades e que o questiona por isso.

Um seguidor de Cristo chamado Paulo (autor de grande parte do Novo Testamento) também lutou com as circunstâncias até o ponto de perder a esperança. Em 2 Coríntios 1, ele falou para a igreja de Corinto que havia sofrido grandemente enquanto esteve na Ásia. Relatou que ele e um amigo chamado Timóteo foram “atribulados acima das nossas forças, a ponto de desesperarmos até da própria vida” (v.8). Paulo também se sentiu desesperado!

Mas a história não termina aí. Ele prosseguiu dizendo o que aconteceu: “para que não confiemos em nós, e sim no Deus que ressuscita os mortos” (v.9). Essa luta emocional, essa desesperança que Paulo sentiu o fez confiar ainda mais em Deus. Viu com maior clareza o quanto precisava do Senhor no pior momento de sua vida.

Pode ser que você não se encontre na mesma situação em que se encontrava Paulo ao escrever essas palavras. Pode ser que se encontre em meio de uma tormenta e que esteja se perguntado se conseguirá superá-la. Pode até mesmo estar questionando a presença de Deus em sua vida. Porém, sua história, como a de Paulo, não precisa terminar em desespero. É em meio aos momentos mais desesperadores de sua vida que você pode clamar ao Senhor e Ele o escutará.

É possível que, ao invés de estender suas mãos para o Senhor, você o tenha substituído para evitar enfrentar suas verdadeiras necessidades? A maioria de nós faz isso de vez em quando.

Encontramos formas criativas de afogar nossas tristezas e acalmar nossa dor. Com frequência, somos tentados a usar o sexo, a comida, o materialismo, as drogas, o álcool, as compras — qualquer coisa na tentativa de eliminar a dor. Quando nada parece funcionar, pode surgir a depressão. Algumas vezes, a depressão é uma decisão interna de desconectar-se e uma negação em lidar com as dificuldades e batalhas da vida. Esse tipo de depressão é, na verdade, resultado de uma série de tentativas frustradas em lidar com algumas circunstâncias dolorosas ou relacionamentos difíceis de nossa vida. O sentimento de uma pessoa deprimida geralmente é: não importa o quanto eu queira, não tenho o poder para mudar as coisas que têm o maior significado para mim. Desisto! Nada funciona. Eu me rendo! É neste momento que alguns pensam em pôr fim à sua existência. Você não é o único com esse sentimento.

Então, como superamos esses momentos profundamente dolorosos e amendrontadores? Creio que o conseguiremos quando admitirmos que não há o que possamos fazer por nossa conta. Deus nos consolará em nosso sofrimento, em nossas dores e decepções. Ele se revelará a nós e nos mostrará misericórdia (Mateus 5:4,6).

Pode ser que algumas experiências em sua vida o façam hesitar em pedir socorro ao Senhor. Mas, se confiar a Deus a sua dor, Ele lhe mostrará que a sua vida tem propósito e significado. Você foi criado para um objetivo maior: adorar ao seu Criador e encontrar esperança e fortaleza nele.

Se você ainda luta com pensamentos suicidas, procure a ajuda de um conselheiro qualificado, de seu pastor ou de algum amigo de confiança. Seus sentimentos podem não mudar da noite para o dia, mas você poderá começar a agir com fé e a tomar decisões que o levarão para uma perspectiva saudável da vida.

 

Esse texto é um trecho do livro Respostas às perguntas difíceis.

 

 

 

Se interessou? Saiba mais aqui.