Our Authors

ver tudo

Articles by Xochitl Dixon

Fé inabalável

Diane Dokko Kim e seu marido sofreram pela perspectiva de passar a vida inteira cuidando de seu primeiro filho que nascera com autismo. Em seu livro Unbroken Faith (Fé inabalável), ela admite ter dificuldades em ajustar os seus sonhos e expectativas ao futuro de seu filho. Nesse processo, o casal aprendeu que Deus pode lidar com suas raivas, dúvidas e medos. Agora, o filho é quase adulto e ela encoraja os pais de crianças com necessidades especiais, compartilha sobre as promessas e amor divino, assegurando-lhes que Deus permite que lamentemos ao experimentarmos a morte de: um sonho, expectativa, caminho ou fase da vida.

Sem brilho, apenas glória

Olhando os enfeites de Natal feitos à mão que o meu filho criou ao longo dos anos e as bugigangas que a avó sempre lhe enviava, não conseguia entender por que não estava contente com as nossas decorações. Eu sempre valorizara a criatividade e as memórias que os ornamentos representavam. Então, por que o fascínio das vitrines enfeitadas nas lojas me fez desejar uma árvore com lâmpadas perfeitamente combinadas, bolas brilhantes e fitas de cetim?

É melhor serem dois

No Triátlon Ironman de 1997, duas mulheres lutaram muito até a linha de chegada. Exaustas, perseveraram vacilantes, até que Sian Welch esbarrou em Wendy Ingraham. Ambas caíram e lutaram para se levantar, tropeçaram para frente e caíram de novo a cerca de 20 metros da chegada. Wendy começou a engatinhar e a multidão aplaudiu. Quando a concorrente seguiu o exemplo, eles aplaudiram ainda mais alto. Wendy cruzou a linha de chegada em 4º lugar e caiu nos braços estendidos de seus apoiadores. Daí, virou-se e estendeu sua mão para sua irmã caída. Sian lançou seu corpo à frente, esticou o braço em direção à mão de Wendy e cruzou a linha de chegada. Quando ela terminou a corrida em quinto lugar, a multidão gritou sua aprovação.

Na mesma equipe

Quando o quarterback (zagueiro) do Philadelphia Eagles, Carson Wentz, voltou ao campo depois de se recuperar de uma lesão grave, o quarterback reserva da equipe da NFL, Nick Foles, voltou graciosamente ao banco. Apesar de competirem pela mesma posição, os dois homens decidiram se apoiar e permaneceram confiantes em seus papéis. Um repórter observou que os dois atletas têm um “relacionamento único enraizado na fé que têm em Cristo” evidenciado por suas contínuas orações um pelo outro. Enquanto os outros os observavam, eles honraram a Deus lembrando-se de que estavam no mesmo time — não apenas como zagueiros do Eagles, e que como crentes em Jesus o representavam.

Dando-lhe o nosso melhor

O diretor de um abrigo havia convidado o nosso grupo de jovens para ajudar a separar as pilhas de calçados usados e doados para os moradores em situação de rua. Passamos a manhã alinhando-os em fileiras sobre o chão de concreto. No final do dia, jogamos fora mais da metade de sapatos que estavam muito danificados para serem usados por outras pessoas. Embora o abrigo não pudesse impedir que as pessoas doassem itens de baixa qualidade, recusaram-se a distribuir os sapatos em más condições.

Sem obstáculos impossíveis

Liderei uma visita de estudos a uma pista de obstáculos. Instruímos os alunos a usarem equipamentos de segurança e fazerem a escalada. Os primeiros incentivaram os seguintes a confiarem nos cintos e sem olhar para baixo. Uma das alunas olhou para a parede alta enquanto os afivelávamos. “Não consigo fazer isso”, disse ela. Assegurando-a sobre a força de seus equipamentos profissionais, nós a encorajamos e aplaudimos quando ela venceu os obstáculos.

Colaborando com Deus

Na visita ao México em 1962, Bill Ashe ajudou a consertar bombas manuais de moinhos de vento num orfanato. Inspirado por um profundo desejo de servir a Deus, ajudou a fornecer água limpa às aldeias necessitadas. Quinze anos depois, Ashe fundou uma organização sem fins lucrativos e compartilhou: “Deus me despertou para ‘aproveitar ao máximo o tempo’ e, também para encontrar outras pessoas com o desejo de levar água potável aos necessitados da zona rural”. Mais tarde, depois de aprender sobre a necessidade global por água potável por meio de milhares de pastores e evangelistas de mais de 100 países, Ashe convidou outros a se unirem aos esforços do ministério.

Orações à beira do mar

Durante uma viagem para comemorar o nosso 25º aniversário, meu marido e eu lemos nossas Bíblias na areia da praia. À medida que os vendedores passavam e anunciavam os preços de seus produtos, agradecíamos a cada um, mas não comprávamos nada. Um vendedor, Fernando, sorriu largamente com a minha rejeição e insistiu que considerássemos comprar presentes para os amigos. Depois que recusei a sugestão, Fernando empacotou seus produtos e começou a se afastar sorrindo. Então eu lhe disse: “Oro para que Deus abençoe o seu dia”!

Memórias inspirativas

Quando meu filho já adulto enfrentou uma situação difícil, lembrei-o dos cuidados e provisões de Deus durante o desemprego de seu pai e das vezes em que Deus fortaleceu nossa família e nos deu paz enquanto minha mãe perdia a batalha contra a leucemia. Destacando a fidelidade de Deus, afirmei que Ele era fiel em manter Sua palavra. Guiei o meu filho pelas memórias que Deus pavimentou para nossa família, relembrando-o de como o Senhor, nos momentos de vales e montanhas, permaneceu confiável. Nas lutas ou celebrações, a presença, o amor e a graça de Deus foram suficientes.

Prosperando juntos

Meu marido, Alan, ficou embaixo do reflexo das luzes altas quando um membro da equipe adversária jogou uma bola ao alto. Com os olhos fixos nela, ele correu em direção ao canto mais escuro e bateu na cerca de arame. Naquela noite, dei -lhe uma bolsa de gelo e perguntei: “Está se sentindo bem?”. “Eu me sentiria melhor se tivessem me avisado que eu estava muito perto da cerca”, disse ele. As equipes funcionam melhor quando trabalham juntas. Tudo isso poderia ter sido evitado, se alguém do time o tivesse avisado da proximidade da cerca.

Deus entende

Após se mudarem, Jean, de 7 anos, protestou para participar de uma atividade externa em sua nova escola. Sua mãe o encorajou, assegurando-lhe que ela entendia que a mudança era difícil. Certa manhã, a rabugice de Jean excedeu. Com compaixão, a mãe lhe perguntou: “O que o incomoda?”. O garoto respondeu: “Não sei, mãe, sinto muitas coisas”. O coração da mãe doía ao confortá-lo. Querendo ajudá-lo, ela compartilhou que a mudança também lhe era difícil. Garantiu-lhe que Deus ficaria perto, que Ele sabe tudo, mesmo quando não conseguimos entender ou expressar as frustrações. “Vamos marcar uma visita com seus amigos antes do início das aulas?”, disse ela, e fizeram planos, agradecidos por Deus entender mesmo quando Seus filhos sentem “muitas coisas”.

A misericórdia de Deus em ação

Enchi-me de raiva quando uma mulher me maltratou, culpou-me e fez fofocas sobre mim. Queria que todos soubessem o que ela havia feito e que ela sofresse como eu sofrera por causa da sua atitude. Fiquei ressentida e senti uma terrível dor de cabeça. Ao orar para que a dor passasse, o Espírito Santo me convenceu. Como eu poderia planejar vingança enquanto implorava a Deus por alívio? Se eu acreditava que Ele cuidaria de mim, por que não confiaria nele para lidar com tal situação? Sabendo que as pessoas que estão sofrendo muitas vezes machucam outras pessoas, pedi a Deus que me ajudasse a perdoá-la e a me esforçar pela reconciliação.