Our Authors

ver tudo

Articles by Marvin Williams

Continue escalando!

Ricardo precisava de um empurrão e o recebeu, numa escalada que fez com seu amigo Fábio, que era o seu assegurador. Exausto e pronto para desistir, Ricardo pediu a Fábio para descê-lo até o chão. Mas Fábio insistiu com o amigo, dizendo-lhe que havia chegado longe demais para desistir. Balançando no ar, Ricardo decidiu continuar tentando. Incrivelmente, ele conseguiu se reconectar à rocha e completar a escalada, com o incentivo de seu amigo.

O Espírito entrega

A té recentemente, muitas comunidades rurais não usavam números em suas casas ou códigos postais. Por isso, se houvesse três José da Silva na localidade, o mais novo residente com esse nome não receberia a sua correspondência antes dos dois outros “José da Silva” que moravam lá há mais tempo. “Meus vizinhos recebiam primeiro”, disse o José, mais novo. “Eles davam uma boa lida e diziam: ‘Não, provavelmente não somos nós’.” Para acabar com toda essa confusão de entrega de correio, eles instituíram recentemente o seu primeiro sistema de códigos postais, o qual garantirá a boa entrega da correspondência.

Segue-me

A s academias oferecem muitos programas para quem quer perder peso e ficar saudável. Uma delas atende apenas quem quer perder pelo menos 25 quilos e desenvolver um estilo de vida saudável. Uma cliente diz ter saído da sua academia anterior, porque sentia que as pessoas magras e em forma olhavam para ela e julgavam seu corpo fora de forma. Agora, ela malha 5 dias por semana e está conseguindo uma perda de peso saudável em um ambiente positivo e acolhedor.

Fontes de salvação

Q uando as pessoas fazem perfurações profundas na terra, normalmente é para extrair amostras de rocha, acessar petróleo ou encontrar água.

Não é bom

Nos sistemas presidiários dos EUA, os 25 mil dos presos mais perigosos devem suportar o confinamento, isolados em pequenas celas de concreto. Eles praticamente não têm qualquer contato com o mundo lá fora. Um dos presidiários disse que a parte mais difícil é “não ser capaz de ver alguém face a face […] de comunicar-se, tocar, abraçar, de sentir-se amado, de sentir-se humano”. As palavras desse homem parecem gritar: “Eu estou sozinho! Não é dessa maneira que deveria ser.”

Precisamos de Deus e das pessoas

Enquanto promovia o filme Rocky Balboa, em 2006, Sylvester Stallone surpreendeu os cristãos com uma revelação. Ele disse que a sua fé em Jesus Cristo não apenas influenciara o roteiro do primeiro filme Rocky, mas que a sua decisão de criar o último filme foi inspirada em sua recém-afiliação ao cristianismo. Como parte dessa transformação, Stallone compreendeu que, anteriormente, uma escolha infeliz havia orientado a sua vida — a autossuficiência. Ele diz: “Você precisa da experiência e da orientação de outra pessoa.” Stallone aprendeu algo que muitas pessoas estão começando a reconhecer — precisamos de Deus e de outras pessoas.

Promessa de 45 anos

Nola Ochs interrompeu seus estudos na universidade recentemente para celebrar seu 95.º aniversário. Ela começou a estudar na instituição em 1930, mas não se formou. Quando percebeu que faltavam apenas algumas matérias para conseguir o diploma, retomou seus estudos. Nola não vai permitir que a sua idade a impeça de terminar seus estudos — de honrar esse compromisso feito há tantos anos.

Nosso refúgio e fortaleza

Em agosto de 2004, o furacão Charley trouxe uma violenta destruição para certas áreas na Flórida, EUA. Durante o temporal, um jovem de 25 anos saiu do local onde estava à busca de proteção num dos seus lugares favoritos, um barraco debaixo dos galhos protetores de uma figueira-de-bengala. Mas a árvore caiu sobre o barraco e o matou. Algumas vezes, os lugares em que buscamos segurança podem ser os mais perigosos.

Dois reinos

Há algum tempo, li numa notícia de jornal que muitos jovens não veem a política como nos velhos tempos e consideram as eleições um ato sem utilidade, irracional. Pergunto-me na sequência, se nós, como seguidores de Jesus, também não pensamos assim a respeito de nossa responsabilidade como cidadãos!

Continue rindo

Na Alemanha, um juiz ordenou que um homem parasse de dar gargalhadas num parque. Joachim Bahrenfeld, um contador, foi levado à corte por um dos muitos corredores do local, que afirmava que os brados ensurdecedores de alegria de Bahrenfeld atrapalhavam as corridas. Se fosse reincidente, ele poderia pegar até seis meses de prisão. Bahrenfeld, de 54 anos, diz que vai rir no bosque quase todos os dias para aliviar-se do estresse. Ele diz: “Isso faz parte da minha vida, como comer, beber e respirar.” Para ele, um coração alegre que se expressa por meio de um riso sincero é importante para a saúde e a sobrevivência.

Pai, perdoa-lhes

Um menino de 12 anos, ao fazer uma visita escolar a um museu, grudou uma bola de chicletes numa pintura que valia 1,5 milhão de dólares. A goma de mascar deixou uma mancha do tamanho de uma moeda no quadro famoso A Baía, de Frankenthaler. Os peritos do museu não tinham certeza se conseguiriam remover aquela mancha totalmente. O menino foi suspenso da escola. Um representante da instituição de ensino disse: “Acho que ele não entendeu as consequências do seu ato.”

Nomes e mais nomes

Dalton Conley, sociólogo renomado, e sua esposa pediram permissão legal para mudar o nome do seu filho, de cinco anos, para Yo Xing Heyno Augustus Eisner Alexander Weiser Knuckles Jeremijenko-Conley. Na verdade, a maior parte desse nome já lhe pertencia — mas seus pais acrescentaram mais três. Eles tinham razões específicas para cada um deles.