Our Authors

ver tudo

Articles by Cindy Hess Kasper

Investimentos da fé

O garoto de 12 anos aguardava ansioso a abertura dos presentes. Ele queria uma bicicleta nova, mas sentiu-se frustrado quando recebeu um dicionário como o seu último presente. Na primeira página, ele leu: “Para Carlos de seus pais, 1958. Com amor e grandes esperanças para o seu melhor na escola”.

Ele se saiu bem na escola, formou-se na faculdade e, mais tarde, treinou…

Peixes pequenos

Um casal britânico que morou na África Ocidental, por muitos anos, desenvolveu grande amizade com um homem da cidade e muitas vezes compartilhou o amor de Jesus e a história da salvação com ele. No entanto, este amigo relutava em abandonar sua fidelidade à outra religião, mesmo tendo reconhecido que a fé em Cristo era “a maior verdade”. Sua preocupação era parcialmente financeira, já que ele era um líder em sua fé e dependia do salário que recebia. Ele também temia perder sua reputação entre as pessoas de sua comunidade. Com tristeza, ele explicou: “Sou como um homem pescando com as mãos em um córrego. Peguei um peixe pequeno em uma mão, mas um peixe maior está nadando. Para pegar o peixe maior, tenho que deixar que o menor se vá!”.

Amor inabalável

Heidi e Jeferson voltaram de um trabalho no exterior onde o clima era muito quente e se estabeleceram perto de sua família no estado onde moro — bem no início do inverno. Esta seria a primeira vez que alguns de seus dez filhos veriam a neve.

Forte e corajoso

Toda noite, ao fechar seus olhos, Calebe sentia a escuridão envolvê-lo. O silêncio de seu quarto era interrompido regularmente pelo rangido da casa de madeira na Costa Rica. No silêncio, os morcegos no sótão se agitavam. Sua mãe havia posto uma luz noturna em seu quarto, mas o menino ainda tinha medo do escuro. Uma noite, o pai de Calebe colocou um versículo bíblico no pé da cama dele. Dizia: “Seja forte e corajoso! Não tenha medo nem desanime, pois o Senhor, seu Deus, estará com você por onde você andar” (Josué 1:9). Calebe começou a ler essas palavras todas as noites e ele deixou essa promessa de Deus colada em sua cama até ir para a faculdade.

Em sintonia com o Espírito

Escutava a afinação do piano de cauda e pensei nos momentos em que ouvi aquele mesmo piano e o incrível som do “Concerto de Varsóvia” e do hino Quão grande és tu!. Mas agora o piano precisava desesperadamente de afinação. Enquanto algumas notas estavam no tom certo, outras estavam desafinadas, criando um som desagradável. A responsabilidade do afinador de piano não era fazer com que cada tecla tocasse o mesmo som, mas garantir que o som exclusivo de cada nota combinasse com as outras para criar um conjunto harmonioso agradável.

Vagando

O humorista Michael Yaconelli mora perto de fazendas de gado e notou como as vacas estavam propensas a vagar enquanto pastavam. Uma delas vagava sempre procurando as lendárias “pastagens mais verdes”. Perto do limite da propriedade, a vaca poderia encontrar um pouco de grama fresca sob uma frondosa árvore. Logo depois de uma parte quebrada da cerca havia uma saborosa folhagem. Nisso, a vaca foi muito além da cerca e alcançou a estrada. Lentamente, ela foi “mordiscando” pelo caminho até se perder. As vacas não estão sozinhas na distração. As ovelhas também vagam, e é provável que as pessoas também tenham grande tendência a se perderem.

As pessoas esquecem

Uma mulher reclamou ao pastor que percebia muitas repetições em seus sermões. “Por que você faz isso?”, ela lhe perguntou. Ele respondeu: “…porque as pessoas esquecem”. Há muitas razões pelas quais esquecemos: a passagem do tempo, envelhecimento ou por estarmos muito ocupados. Esquecemos senhas, nomes de pessoas e onde estacionamos o carro. Meu marido diz: “faço tanta coisa caber no meu cérebro que devo excluir algo antes de me lembrar de algo novo”.

O favorito

O irmão do meu marido mora a cerca de 2 mil quilômetros de nós. Apesar da distância, ele sempre foi um membro muito querido da família por causa de seu grande senso de humor e bom coração. Desde que me lembro, no entanto, os outros irmãos brincam humoradamente sobre o status dele como favorito aos olhos de sua mãe. Há vários anos, até lhe entregaram uma camiseta com as palavras “Sou o favorito da mamãe”. Embora todos nós tenhamos gostado das piadas entre irmãos, o favoritismo não é brincadeira.

Despedida final

“A morte do seu pai é iminente”, disse a enfermeira. “Morte iminente” refere-se à fase final do processo de morrer e era um novo termo para mim, algo que me parecia estranhamente como viajar por uma rua de mão única. No último dia de vida do meu pai, sem saber se ele ainda podia nos ouvir, minha irmã e eu sentamos ao lado da cama dele. Beijamos o topo de sua bela cabeça careca e sussurramos as promessas de Deus para ele. Cantamos “Tu és fiel, Senhor” e citamos o Salmo 23. Dissemos que o amávamos e agradecemos por ser nosso pai. Sabíamos que sua alma desejava estar com Jesus e lhe dissemos que poderia partir. Falar essas palavras foi o primeiro passo doloroso para permitir sua partida final. Minutos depois, nosso pai foi recebido com alegria em seu lar eterno.

Pensamentos de alegria

Numa coletânea de entrevistas de Bill Shapiro na Revista Life, as pessoas falam de um único item de grande importância do qual nunca se separariam. Isso me fez refletir sobre as posses que mais significam para mim e me trazem alegria. Um é uma simples receita escrita à mão por minha mãe há 40 anos. Outra é uma xícara de chá da minha avó. Outros podem valorizar memórias preciosas, elogios encorajadores, sorrisos de netos ou uma percepção especial da Bíblia.

Traga o que você tem

“Sopa de Pedra” é um conto antigo com muitas versões, sobre um faminto que chega a uma aldeia, mas ninguém lhe cede uma migalha de comida. Assim, ele coloca uma pedra e água em sua panela na fogueira. Intrigados, os aldeões o observam mexer sua “sopa”. Eventualmente, um traz duas batatas para adicionar à mistura; outro algumas cenouras, ainda outro…

Fazendo o bem a todos

Na hora de embarcar no avião, uma jovem mãe sozinha com seus filhos tentou desesperadamente acalmar sua filha de 3 anos, que começou a chutar e a chorar quando o bebê de 4 meses também começou a chorar. O passageiro sentado ao lado se ofereceu para segurar o bebê enquanto Jessica afivelava a filha ao cinto. Recordando os seus dias como jovem pai, o viajante começou a colorir com a criança enquanto a mãe alimentava o bebê. E no voo de conexão, esse mesmo homem se ofereceu para ajudá-la, se necessário. A mãe lembrou: “Fiquei impressionada com a provisão de Deus nisso. Poderíamos sentar ao lado de qualquer um, mas estávamos sentados ao lado de um dos homens mais gentis que já conheci”.