Our Authors

ver tudo

Articles by Anne Cetas

O único Rei

Elton, de 5 anos, ouvia o pastor falar sobre Jesus ter deixado o Céu e ter vindo para a Terra e suspirou profundamente quando o pastor orou agradecido por Cristo ter morrido por nossos pecados. “Ah não! Ele morreu?”, o garoto disse surpreso.

Desde o início da vida de Cristo na Terra, havia pessoas que o queriam morto. Alguns sábios vieram…

Fruta bonita

Rebecca Lemos-Otero fundou a City Blossoms (Cidade em flor) e sugere: “As crianças devem ser capazes de lançar uma semente onde quiserem [no jardim] para ver o que germina”. Embora isso não seja um modelo de boa jardinagem, reflete o potencial de cada semente germinar e produzir vida. Desde 2004, eles criaram jardins para escolas e bairros em áreas de baixa renda. As crianças aprendem sobre nutrição e ganham habilidades através da jardinagem. Rebecca diz: “O espaço verde e florido numa área urbana dá condições de as crianças fazerem algo produtivo e bonito”.

A decisão pertence a Deus

Ricardo e Célia apreciaram sua ida ao restaurante omakase em Nova Iorque. Omakase é uma palavra japonesa que significa: “deixar a decisão por sua conta”. Isso significa que nesses restaurantes os clientes permitem que o chef escolha a refeição a ser servida. Embora essa tenha sido a primeira vez que experimentaram tal cozinha e isso pareça arriscado, eles gostaram muito da comida que o chef escolheu e preparou para eles.

Não esqueça!

Minha sobrinha, sua filha Kailyn e eu tivemos uma maravilhosa tarde de sábado juntas. Sopramos bolhas coloridas, colorimos um livro com desenhos de princesa e comemos deliciosos sanduíches. Já no carro, Kailyn chamou-me pela janela aberta dizendo: “Tia, não se esqueça de mim”. Fui em direção ao carro e sussurrei: “Eu nunca poderia te esquecer e prometo que vou te ver em breve”.

Sim, quero!

Shirley olhou pela janela e notou um casal mais idoso lutando para retirar um pedaço de cerca velha deixada num quintal e rotulado como “grátis”. Shirley e seu marido foram ajudá-los. Os quatro colocaram parte da cerca dentro de uma carreta manual e a empurraram pelas ruas até a casa do casal. Eles riam o tempo todo pelo espetáculo que davam. Quando voltaram para pegar a outra parte da cerca, a mulher perguntou a Shirley: “Você quer ser minha amiga?”. “Sim, quero!”, ela respondeu. Mais tarde, Shirley descobriu que sua nova amiga vietnamita falava pouco inglês e sentia-se solitária porque seus filhos, já crescidos, tinham se mudado para longe.

Começando agora

Quando a biópsia da minha irmã mais velha revelou um câncer no final de fevereiro de 2017, mencionei aos meus amigos: “Preciso passar o máximo de tempo possível com a Carolyn — começando agora”. Alguns me disseram que os meus sentimentos eram uma reação exagerada às notícias. Mas ela morreu em dez meses. E mesmo eu tendo passado horas com ela, quando amamos alguém, nunca há tempo o bastante para o nosso coração amar o suficiente.

Podemos descansar?

Daniel entrou no consultório da fisioterapeuta sabendo que sofreria muita dor. A terapeuta estendeu e dobrou o braço dele em posições que há meses, desde sua lesão, não tinham sido feitas. Depois de segurar cada posição desconfortável por alguns segundos, ela gentilmente lhe disse: “Ok, pode descansar”. Mais tarde, ele afirmou: “Acho que ouvi pelo menos 50 vezes em cada sessão de terapia: ‘Ok, pode descansar’”.

Tudo o que posso ver

Era um dia de inverno congelante, e Krista estava olhando para o lindo farol envolto pela neve junto ao lago. Ao pegar o celular para tirar fotos, seus óculos ficaram embaçados. Sem conseguir enxergar, ela decidiu apontar a câmera para a direção do farol e tirar três fotos de ângulos diferentes. Vendo as imagens depois, percebeu que a câmera estava regulada para tirar selfies. Ela deu risada e falou: “Meu foco estava só em mim. Tudo o que eu vi foi eu mesma”. Essas fotos me levaram a pensar num erro parecido: podemos nos focar tanto em nós mesmos a ponto de perder de vista o plano de Deus.

Que tipo de Salvador Ele é?

Ano passado, minhas amigas e eu oramos pela cura de três mulheres que lutavam contra o câncer. Sabíamos que Deus tinha o poder de curá-las e pedíamos que Ele agisse todos os dias. Havíamos visto a ação de Deus no passado e críamos que Ele poderia agir de novo. Às vezes a cura parecia uma realidade, e nós nos alegrávamos. Mas todas morreram naquele mesmo ano. Alguns disseram que aquela foi “a cura definitiva” e, de certa forma, era. Mesmo assim, a perda nos feriu profundamente. Queríamos que o Senhor as tivesse curado aqui e agora, mas por razões que não podemos compreender nenhum milagre aconteceu.

Onde encontrar esperança

Bete lutava há muito tempo com o vício em drogas e, quando se recuperou, quis retribuir ajudando outras pessoas. Para isso, ela começou a escrever bilhetes anônimos e a colocá-los em lugares por toda a cidade. Hoje, Bete coloca os bilhetes nos limpadores de para-brisa e nos postes de parques. Antes, ela costumava procurar por esses sinais de esperança, mas hoje ela os deixa para outras pessoas. Um dos bilhetes termina assim: “Enviando esperança — com amor”.


Através da cruz

Tomás tem uma cruz de vidro sobre a sua mesa, que foi presente de outro amigo em comum que sobreviveu ao câncer, para o ajudar a ver tudo “através da cruz”. Ela sempre o lembra do amor e dos bons propósitos de Deus para ele.

Essa ideia desafia muitos cristãos, especialmente em tempos difíceis. É bem mais fácil focarmos em nossos…

Tenha tempo

Rima é síria e recém-chegada ao país. Ela tentou explicar ao seu mantenedor, com mímica e poucas palavras, o porquê de estar chateada. As lágrimas corriam enquanto segurava um belo prato de fatayer (torta com carne, queijo e espinafre) que tinha feito. E disse: “Um homem”, e apontou para a porta da frente, até a sala e de volta à porta…