Our Authors

ver tudo

Articles by Amy Boucher Pye

Sempre um filho de Deus

Durante um culto ao qual eu assistia com os meus pais, de acordo com a prática comum, demos as mãos ao orarmos o Pai Nosso. De pé, com uma das mãos segurando a mão da minha mãe e a outra segurando a do meu pai, fui tomada pelo pensamento de que sempre serei filha deles. Embora esteja na meia-idade, ainda posso ser chamada de “filha do Leo e da Phyllis”. Refleti que não sou apenas filha deles, mas que serei sempre filha de Deus.

O mensageiro

“Tenho uma mensagem para você!”. Uma mulher que trabalhava na conferência que eu estava participando me entregou um pedaço de papel, e perguntei-me se deveria ficar nervosa ou feliz. Mas, quando li: “Você ganhou um sobrinho!”, sabia que poderia me alegrar.

Uma carta de Natal

Todo Natal, um amigo meu escreve uma longa carta à sua esposa, revendo os acontecimentos do ano e sonhando com o futuro. Ele sempre lhe diz o quanto a ama e o porquê. Ele também escreve uma carta para cada uma de suas filhas. Suas palavras de amor se tornam um inesquecível presente de Natal.

Ministério escondido


Eu era responsável por um grande projeto acadêmico, e estava preocupada com o prazo de entrega. Imaginava se conseguiria terminá-lo a tempo. Em meio à minha ansiedade, recebi três bilhetes de incentivo de amigas que me animaram. Cada um dizia: “Deus trouxe você à minha mente enquanto orava”. Senti-me constrangida e encorajada por essas amigas que entraram em contato comigo sem saber o que se passava. Cri que Deus as tinha usado como mensageiras de amor.


Bondade inesperada

Minha amiga esperava na fila do supermercado quando o homem à sua frente lhe entregou um vale-compras que cobria a maior parte de sua conta. Ainda atordoada, ela caiu no choro por sua bondade; e depois até riu de si mesma por ter chorado. Aquele ato inesperado de bondade tocou seu coração e lhe deu esperança naquele período de extremo cansaço. Ela agradeceu ao Senhor por tê-la alcançado por meio de outra pessoa.


Segando os campos

Uma amiga tanzaniana tem o sonho de adquirir uma parte da terra desolada da capital Dodoma. Reconhecendo as necessidades de algumas viúvas locais, Rute quer transformar aqueles acres empoeirados num local para criar galinhas e cultivar vegetais. Seu sonho de sustentar os necessitados tem origem em seu amor por Deus e foi inspirado em Rute, sua xará bíblica.


Escrito em Suas mãos

Nos muitos anos de Charles Spurgeon na sua igreja de Londres durante os anos de 1800, ele amava pregar sobre as riquezas do texto em Isaías 49:16. O versículo afirma que Deus escreve o nosso nome nas palmas de Suas mãos. Ele dizia: “Um texto como este deve ser pregado centenas de vezes!”. Este pensamento é tão valioso que deveríamos remoê-lo em nossa mente várias e várias vezes.


A casa na rocha

Após viver muitos anos numa casa, meus amigos notaram que a sala deles estava afundando. Surgiram rachaduras nas paredes e uma janela não abria. Descobriram que o cômodo tinha sido acrescentado sem a necessária fundação. Consertar a obra malfeita significaria meses de trabalho.

Eles fizeram a obra e, quando os visitei depois, não vi muita diferença, mas não tinha rachaduras e a…

Queremos ver Jesus

Ao dar uma olhada do púlpito de onde eu conduzia o culto fúnebre, vi uma placa de bronze com as palavras: “Gostaríamos de ver Jesus”. E, pensei, como é apropriado refletir sobre a maneira como vimos Jesus na mulher que homenageávamos com lágrimas e sorrisos. Apesar de ela ter enfrentado desafios e decepções na vida, ela nunca desistiu de sua…

Mistérios difíceis

Eu e minha amiga estávamos passeando e conversando sobre nosso amor pela Bíblia. Fiquei surpresa quando ela disse: “Ah, mas não gosto muito do Antigo Testamento. Toda aquela coisa pesada e vingança — quero Jesus!”

Podemos ecoar suas palavras quando lemos um livro como Naum, talvez ressaltando uma declaração como: “…o Senhor é Deus zeloso, cheio de vingança e ira…” (v.2).…

Esperança no luto

Aos 19 anos, uma de minhas melhores amigas morreu num acidente de carro. Nas semanas e meses seguintes, andei por um túnel de luto. A dor de perder alguém tão jovem e maravilhosa me fez perder o rumo, e às vezes, até me sentia alheia ao que acontecia ao meu redor. Sentia-me tão cega pela dor e luto, que simplesmente não…

Apanhando raposas

Enquanto falava ao telefone com uma amiga que mora à beira-mar, expressei alegria por ouvir as gaivotas. “Criaturas desprezíveis”, ela respondeu, pois para ela tais criaturas são um incômodo diário. Onde eu vivo, sinto o mesmo com relação às raposas que perambulam. Não as considero fofas, mas criaturas que deixam sujeiras malcheirosas por onde passam.

As raposas aparecem nos poemas de…