Our Authors

ver tudo

Articles by Albert Lee

Segure firme

A montanha Tianmen, em Zhangjiajie, China, é considerada uma das mais belas do mundo. Para ver seus penhascos imponentes em todo o seu glorioso esplendor, é preciso tomar o bondinho Tianmen Shan, que percorre 7.455 metros. É surpreendente como esse bondinho consegue percorrer uma longa distância e escalar montanhas tão íngremes sem qualquer motor no próprio veículo. Contudo, ele se move com segurança até aquelas alturas espetaculares fortemente firmado num cabo movido por um motor possante.

Em suas mãos

Os guardas de parques zoológicos que lidam com cobras afirmam que jamais se deve pegar um desses répteis pela cauda, pois ele pode virar-se numa fração de segundos e cravar as presas dele em sua mão. A maneira certa é controlá-la pela cabeça (mas por favor, não tente fazer isso).

Pegar uma cobra pela cauda é exatamente o que Deus ordenou a…

Não sou mais jovem

Recentemente, ao sair de uma loja, ouvi o homem que havia me atendido sussurrar: “Ele me chamou de ‘tio’, mas com certeza é mais velho do que eu”. Desde a infância, a cultura chinesa me ensinou que faz parte da boa educação dizer: “Obrigado, tio!”, por alguma ajuda recebida de alguém mais velho.

Caminho do sucesso

Durante o Ano Novo chinês, é costume ter hongbaos (pequenos envelopes vermelhos com dinheiro) para serem doados para alguém. Quando os pais dão hongbaos para seus filhos, querem desejar-lhes prosperidade e sucesso. Entretanto, sabendo que este desejo sincero não é suficiente, estes envelopes também os lembram de que devem estudar arduamente. O povo chinês geralmente crê que uma boa educação é a chave do sucesso na vida de alguém.

Cinco Cs ou G e B

Em determinada época, os jovens de Singapura desejavam ter os cinco Cs: Conta (bancária, dinheiro); Carreira para o futuro; Carro para dirigir; Condomínio onde morar; Cartão de crédito para levar nas viagens.

Perfeito para sempre

Quando visitei os EUA, uma marca comercial chamou-me a atenção por ser igual ao meu sobrenome, e fiquei imaginando se seria chinesa ou coreana. Depois soube que não era uma nem outra: era o nome de uma menina. Um fabricante deu o nome de sua filha ao seu produto. Sara Lee, a filha, disse que o pai queria que o produto “fosse perfeito, já que levava o nome da filha”.

Exemplo que incentiva

Conta-se a história de que, no final do século 19, um grupo de pastores europeus participou de uma conferência bíblica do evangelista D. L. Moody, nos EUA. Seguindo seu costume, os visitantes colocaram os sapatos para o lado de fora da porta dos quartos antes de dormir, esperando que fossem limpos pelos funcionários do hotel. Quando Moody viu os sapatos, requisitou o serviço, pois sabia do costume dos hóspedes, mas não obteve resposta do hotel. Então, o evangelista coletou todos os sapatos e os limpou ele mesmo. Um amigo que fez uma visita inesperada ao seu quarto revelou o que Moody tinha feito. A notícia se espalhou, e nas noites seguintes, outros se revezaram na limpeza.

Manter a unidade

Um homem perdido sozinho numa ilha finalmente foi resgatado. Seus resgatadores perguntaram-lhe sobre as três cabanas que viram ali. Ele as mostrou e disse: “Esta aqui é minha casa e aquela é minha igreja.” Ele então apontou para a terceira cabana: “Aquela outra era minha antiga igreja.” Ainda que possamos rir da simplicidade desta história, ela realça uma preocupação com a unidade entre os cristãos.

Vale o risco

O que alguém daria em troca de um novo iPad? Um garoto de 17 anos deu um rim! Aparentemente, ele não podia pagar por um iPad e queria tanto um, que se dispôs a correr o risco da cirurgia.

Escolta através do vale

Ouvi pessoas dizerem: “Não tenho medo da morte porque tenho certeza que vou para o céu; é o processo da morte que me apavora!” Sim, como cristãos, temos a expectativa de irmos ao céu, mas podemos ter medo de morrer. Não precisamos ter vergonha de admitir isso. É natural ter medo da dor que acompanha a morte, da separação de nossos entes queridos, de possivelmente empobrecermos nossas famílias, e do arrependimento sobre oportunidades terrenas perdidas.

Exemplo que incentiva

Conta-se a história de que, no final do século 19, um grupo de pastores europeus participou de uma conferência bíblica do evangelista D. L. Moody, nos EUA. Seguindo seu costume, os visitantes colocaram os sapatos para o lado de fora da porta dos quartos antes de dormir, esperando que fossem limpos pelos funcionários do hotel. Quando Moody viu os sapatos, requisitou o serviço, pois sabia do costume dos hóspedes, mas não obteve resposta do hotel. Então, o evangelista coletou todos os sapatos e os limpou ele mesmo. Um amigo que fez uma visita inesperada ao seu quarto revelou o que Moody tinha feito. A notícia se espalhou, e nas noites seguintes, outros se revezaram na limpeza.