Our Authors

ver tudo

Articles by Adam Holz

Movendo-se na velocidade de Jesus

Quando meu carro parou de funcionar, eu decidi ir a pé para casa, pois moro perto de uma oficina mecânica. Passei por uma via movimentada e notei que todos se moviam com enorme rapidez. Não é mistério que os carros sejam mais velozes que os pedestres, e estamos tão acostumados a nos movermos sempre rápido. Muitas vezes, espero que Deus também aja assim, e que os planos dele se encaixem no meu ritmo.

Aprendendo com as aves

Você sabia que o coletivo de perus é bando? Por que escrevo sobre perus? Porque acabei de voltar de um chalé na montanha. Todos os dias, maravilhei-me com o desfile dos perus desfilando frente à nossa varanda.

Animem-se

Estávamos quase em casa quando notei que a agulha do medidor de temperatura do carro estava disparando. Estacionei, desliguei o motor e saí do carro. Saía fumaça do capô. O motor crepitava como bacon sendo frito. Empurrei o carro alguns metros e embaixo encontrei uma poça de óleo. Instantaneamente, já sabia o que tinha acontecido: a junta do cabeçote explodira. Tínhamos acabado de investir em outros consertos caros. Por que as coisas simplesmente não funcionam?, resmunguei. Por que as coisas estragam tanto?

Condução Espiritual

Quando fiz a autoescola, aprendemos o acrônimo O-I-P-D-E, que permanece firmemente alojado em minha memória. As letras representavam Observar, Identificar, Prever, Decidir e Executar, um processo que aprendemos a praticar continuamente. Deveríamos observar tudo sobre a estrada, identificar os perigos, prever a consequência desses perigos, decidir como reagiríamos e, se necessário, executar esse plano. Era uma estratégia para evitar os acidentes.

Coração de adorador

A música de louvor desceu pelas escadas às 6h33 numa manhã de sábado. Eu achava que ninguém mais estivesse acordado, mas a voz áspera da minha filha mais nova me provou estar errado. Ela mal acordara e já tinha uma canção em seus lábios.

Uma árvore florescente

Quando criança eu colecionava selos, figurinhas de jogadores e histórias em quadrinhos. Agora, como mãe, vejo o mesmo impulso nos meus filhos. Às vezes eu lhes pergunto se realmente precisam de outro ursinho de pelúcia?

Navegando…

“Todo mundo à esquerda, deem três fortes remadas para a frente!”, gritou nosso guia de rafting. Os da esquerda “foram com tudo”, puxando nosso bote para longe de um vórtice agitado. Por várias horas, aprendemos sobre a importância de ouvir as instruções do nosso guia. Sua voz firme permitiu que seis pessoas com pouca experiência em rafting trabalhassem juntas para traçar o percurso mais seguro num rio revolto.

Em construção

Eles repavimentaram a estrada, pensei comigo enquanto o tráfego diminuía. Agora eles a estão destruindo de novo! E me questionei: por que nunca acabam? Nunca vi uma placa anunciando: “A pavimentação está concluída. Aproveite essa estrada perfeita”.

O ganso mais triste

Uma bola de futebol no estacionamento?, pensei e, ao me aproximar, percebi que o caroço acinzentado não era uma bola, mas um ganso: o ganso mais triste que já vi. Eles se reúnem no gramado perto do meu local de trabalho na primavera e no outono. Mas hoje havia apenas um, o pescoço arqueado para trás e a cabeça enfiada sob sua asa. Onde estão seus amigos?, pensei. A ave estava só e parecia tão solitária que desejei dar-lhe um abraço.

Toda oportunidade

Você já caçou dragões? Meu filho me convenceu a baixar um jogo no celular cujo mapa digital espelhando o mundo real permite capturar dragões coloridos ao redor. Isso exige movimento. Todo lugar que você vai faz parte do campo do jogo. O resultado? Estou andando muito mais! Sempre que meu filho e eu jogamos, esforçamo-nos para maximizar todas as oportunidades de capturar as criaturas que surgem a

Atenção total

Hoje a tecnologia parece exigir a nossa constante atenção. A internet nos dá a incrível capacidade de acessar o conhecimento da humanidade na palma da mão. Mas para muitos, esse acesso incessante pode ter um custo.

Senhor até dos pregos?

Ao entrar no meu carro, vi um brilho no pneu que chamou minha atenção: um prego, encravado na lateral do pneu traseiro. Escutei o assobio revelador do ar escapando. Felizmente, o buraco estava tampado, pelo menos por enquanto. Enquanto eu dirigia para uma borracharia, pensava: Há quanto tempo esse prego está lá? Dias? Semanas? Há quanto tempo estou protegido de uma ameaça que nem sabia que existia? Às vezes podemos viver sob a ilusão de que estamos no controle. Mas esse prego me lembrou de que não estamos.