À medida que as luzes se apagaram e nos preparamos para assistir a Apollo 13, meu amigo disse baixinho: “Vergonha, todos morreram!” Assisti ao filme sobre a nave de 1970 com apreensão, esperando ver tragédia, e só perto dos créditos finais percebi estar enganado. Não conhecia nem lembrava o fim da história verdadeira, que, apesar de os astronautas terem enfrentado muitas dificuldades, sobreviveram.

Em Cristo, podemos conhecer o final da história, também estaremos vivos ao chegar ao lar. Com isso quero dizer que viveremos para sempre com o nosso Pai celestial, como está escrito no livro de Apocalipse. O Senhor vai criar um “novo céu e uma nova terra” quando fizer todas as coisas novas (21:1,5). Nessa nova cidade, o Senhor Deus acolherá o Seu povo para viver com Ele, sem medo e sem a noite. Temos esperança, pois conhecemos o fim da história.

Que diferença isso faz? Ele pode transformar momentos de extrema dificuldade, como acontece quando as pessoas enfrentam a perda de um ente querido ou mesmo a sua própria morte. Embora recuemos ante o pensamento de morrer, ainda assim, podemos acolher a alegria da promessa da eternidade. Ansiamos pela cidade onde já não haverá qualquer maldição, onde viveremos para sempre à luz de Deus (22:5).