Os caricaturistas vão a lugares públicos e desenham caricaturas de pessoas dispostas a pagar um preço modesto por uma imagem bem-humorada de si mesmos. Os desenhos nos divertem porque exageram em uma ou mais características físicas de maneira que sejam reconhecíveis, mas engraçadas.

Fazer caricaturas de Deus não é engraçado. Exagerar em um de Seus atributos apresentará uma visão distorcida que as pessoas facilmente vão descartar. Como a caricatura, a visão distorcida de Deus não é levada a sério. Os que veem Deus retratado apenas como um juiz irritado e exigente são facilmente atraídos por alguém que enfatiza a misericórdia. Os que veem Deus como um avô de bom coração rejeitarão essa imagem quando precisarem de justiça. Os que o veem como uma ideia intelectual ao invés de vê-lo como uma pessoa viva e amorosa, acabam encontrando outras ideias mais atraentes. Os que veem Deus como um melhor amigo muitas vezes o deixam para trás quando encontram amigos humanos que são mais ao seu gosto.

Deus se declara “…compassivo, clemente e longânimo e grande em misericórdia e fidelidade […] ainda que não inocenta o culpado” (Êxodo 34:6,7).

À medida que praticamos a nossa fé, precisamos evitar retratar Deus como tendo somente os nossos atributos favoritos. Devemos adorar a Deus por tudo que Ele é, não apenas pelo que gostamos.