Durante a noite, o telefone tocou para meu marido, que é pastor. Uma das guerreiras de oração de nossa igreja, uma senhora de 70 e poucos anos que morava sozinha, estava sendo levada ao hospital. Ela estava tão doente que não mais comia ou bebia, nem conseguia ver ou andar. Não sabendo se ela viveria ou morreria, pedimos a Deus por ajuda e misericórdia, sentindo-nos particularmente preocupados com o seu bem-estar. A igreja se pôs em ação com uma escala de visitadores 24 horas por dia, que não só ministravam a ela, mas demonstravam amor cristão por outros pacientes, visitantes e equipe médica.

A carta de Tiago aos primeiros cristãos judeus incentivou a Igreja a cuidar dos necessitados. Tiago queria que os cristãos fossem além de apenas escutar a Palavra de Deus e encorajava-os a colocar a sua fé em ação (1:22-25). Por destacar a necessidade de cuidar dos órfãos e das viúvas (v.27), mencionou um grupo vulnerável, porque na antiguidade, a família seria a responsável por cuidar deles.

Como agimos com os que sofrem em nossa igreja e comunidade? Vemos o cuidado das viúvas e dos órfãos como uma parte vital da prática de nossa fé? Que Deus abra os nossos olhos às oportunidades de servir a pessoas necessitadas em todo lugar.