O obituário de um homem de minha cidade, o descreveu como “acima de tudo, uma dedicada testemunha de Cristo”. Após a narração sobre a sua vida familiar e carreira, o artigo mencionava quase uma década de sua saúde em declínio. Ele concluía dizendo: “Suas internações hospitalares … lhe garantiram o honroso título de ‘O paciente que orava’”, devido ao seu ministério a outros pacientes. Ali estava um homem que, em seus tempos de angústia, orava por e com as pessoas necessitadas ao seu redor.

Horas antes de Judas traí-lo, Jesus orou por Seus discípulos. “Já não estou no mundo, mas eles continuam no mundo, ao passo que eu vou para junto de ti. Pai santo, guarda-os em teu nome, que me deste, para que eles sejam um, assim como nós” (v.11). Sabendo o que estava prestes a acontecer, Jesus olhou para além de si mesmo para focar-se nos Seus seguidores e amigos.

Durante nossos tempos de enfermidade e angústia, ansiamos pelas orações dos outros e necessitamos delas. Como essas orações nos ajudam e encorajam! Que também nós, como o nosso Senhor, elevemos os nossos olhos para orar por aqueles à nossa volta que estão grandemente necessitados.