Month: setembro 2018

Fé ruim, fé boa

A s pessoas dizem: “Você precisa ter fé.” Mas o que isso quer dizer? Qualquer fé é boa?

Quem pode atirar as pedras?

No momento em que um grupo de líderes religiosos levava uma mulher adúltera a Jesus, eles não podiam imaginar que a levavam para ser atingida pela graça. A esperança do grupo era desacreditar Jesus. Se Ele lhes dissesse para deixá-la ir, eles poderiam afirmar que Jesus estava infringindo a lei mosaica. Mas se Jesus a condenasse à morte, as multidões que o seguiam rejeitariam Suas palavras de misericórdia e graça.

Crianças do Reino — A riqueza da afetividade

 

Sorrisos, palavras engraçadas, brincadeiras recheadas de fofuras… A infância é um período delicioso; olhar aquelas mãozinhas rápidas e olhos atentos a tudo descobrindo um mundo novo é encantador.

Ficamos tão fascinados com a doçura da infância de nossos filhos que nos esquecemos de que alguns aprendizados cruciais para a vida são desenvolvidos nesse período — como o caráter e…

Crianças do Reino — o desafio da criação nos caminhos do Senhor

 

Em comemoração ao Dia das crianças, preparamos com muito carinho uma entrevista com a jornalista Melina Pockrandt, do blog Maternidade Simples. Mãe de duas meninas, Melina fala sobre como podemos criar nossos pequeninos nos caminhos do Senhor e quais são os maiores desafios para que isso aconteça. Confira:

 

- Sabemos que as crianças aprendem tudo muito rápido, principalmente hoje…

Orando por você hoje

Q uando enfrentamos uma situação desconcertante ou um problema difícil, geralmente pedimos a nossos irmãos em Cristo que orem por nós. É um grande encorajamento saber que outros se preocupam e nos colocam diante de Deus em oração. Mas e se você não tem amigos próximos que sejam cristãos? Talvez você more onde o evangelho de Cristo seja rejeitado. Quem vai orar por você?

Verdadeiras riquezas

No funeral do pai de minha amiga alguém disse a ela: “Até conhecer o seu pai, eu não sabia que uma pessoa conseguia se divertir enquanto ajudava os outros.” O pai dela fez a sua parte ao ajudar a edificar o reino de Deus por meio do serviço a outros, rindo e amando e conhecendo estranhos que se tornaram amigos. Quando morreu, ele deixou um legado de amor. Em contraste, a tia de minha amiga — irmã mais velha de seu pai— via os seus bens como seu legado e investiu seus últimos anos preocupando-se em encontrar alguém que protegesse suas relíquias e livros raros.

Acalmando a alma

Enquanto assistia a um concerto musical, minha mente desviou-se para uma questão desagradável que exigia minha atenção. Felizmente, a distração durou pouco, à medida que as palavras de um belo hino começaram a tocar profundamente o meu ser. Um grupo de homens estava cantando à capela “Confiança em Deus (HNC 156)”. Lágrimas verteram conforme eu ouvia as palavras e contemplava a paz serena que somente Deus pode dar: