Após acampar perto do Monte Sinai por 2 anos, o povo de Israel estava prestes a entrar em Canaã — a Terra Prometida. Deus lhes disse para enviar doze espias para avaliar a terra e seus habitantes. Ao verem a força dos cananeus e o tamanho de suas cidades, dez deles disseram: “Nós não podemos!” E dois disseram: “Nós podemos!”.

O que fez a diferença? Quando os dez compararam os gigantes a si mesmos e eles pareceram grandes, os dois — Calebe e Josué — compararam os gigantes a Deus e eles ficaram pequenos. “…[O] Senhor é conosco; não os temais” (Números 14:9).

A incredulidade jamais nos permite superar as dificuldades — as cidades inconquistáveis e os gigantes impossíveis. Ela também se preocupa com os problemas, e nos leva a meditar excessivamente sobre eles, confrontando-os com os simples recursos humanos.

A fé, por outro lado, embora nunca minimize os perigos e dificuldades de qualquer circunstância, desvia os seus olhos delas e os põe em Deus e conta com a Sua invisível presença e poder.

Quais são os seus “gigantes”? Um hábito que você não consegue perder? Uma tentação à qual não consegue resistir? Um casamento difícil? Um filho ou filha usuários de drogas?

Se nos compararmos às nossas dificuldades, sempre estaremos oprimidos. A fé afasta o seu olhar da grandeza da tarefa para olhar para a grandiosidade do Deus todo-poderoso, sempre presente.