Em viagem ao exterior, minha amiga Mirna participou do culto de uma igreja. Ela percebeu que, ao entrarem, as pessoas imediatamente se ajoelhavam e oravam, de costas para a frente da igreja. Ela descobriu que as pessoas daquela igreja confessavam seus pecados a Deus antes de começar o culto.

Este ato de humildade é, para mim, uma imagem do que Davi disse no Salmo 51: “Sacrifícios agradáveis a Deus são o espírito quebrantado; coração compungido e contrito, não o desprezarás, ó Deus” (v.17). Davi estava descrevendo seu próprio remorso e arrependimento por seu pecado de adultério com Bate-Seba. A verdadeira tristeza pelo pecado envolve adotar a visão de Deus sobre o que fizemos — ver aquilo como claramente errado, não gostar e não querer que continue.

Quando estamos verdadeiramente contritos por nosso pecado, Deus nos restaura amorosamente. “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar […] e nos purificar de toda injustiça” (1 João 1:9). Este perdão produz um novo canal de comunicação com Ele e é o ponto de partida ideal para o louvor. Após arrepender-se, confessar e ser perdoado por Deus, Davi falou: “Abre, Senhor, os meus lábios, e a minha boca manifestará os teus louvores” (Salmo 51:15).

A humildade é a resposta correta à santidade de Deus. E o louvor é a resposta do nosso coração ao Seu perdão.