Havíamos ensaiado a música por diversas semanas e ela soava bem. Mas havia uma parte complicada que não conseguíamos acertar. Estávamos prontos a chamá-la de suficientemente boa. Nosso regente de coral parecia concordar, pois também estava cansado de ensaiar o mesmo trecho várias vezes.

Finalmente, ele disse: “Ensaiamos muito isso. Vocês estão cansados. Eu estou cansado. Nosso tempo está se esgotando. E 99% das pessoas não saberão se estamos cantando esta parte certa ou não.” Quando começamos a colocar a partitura de lado, ele continuou: “Mas vamos cantá-la certo para aquele 1% que conhece a diferença.” Suspiramos ao reabrir nossa partitura na página amarrotada.

No domingo, nós a cantamos do modo certo e poucas pessoas perceberam. Mas isso não importava. O que realmente importava era cantarmos de todo o coração para a o Único que merece o louvor excelente.

O rei Davi queria construir um templo “extraordinariamente magnífico” para o Senhor (1 Crônicas 22:5). Assim, antes de morrer, assegurou-se de que seu filho Salomão tivesse tudo o que necessitava para construí-lo — abundância de ouro, prata, bronze, ferro, madeira, pedras e homens especialistas em todo tipo de trabalho (vv.14,15).

Tudo quanto fizermos para Deus, merece o nosso melhor
esforço.