Chris Couch qualificou-se para jogar no torneio da Associação Profissional de golfe pela primeira vez aos 16 anos. Ele logo foi declarado como o próximo prodígio do esporte. O sucesso lhe estaria garantido nos anos que se seguiriam.

Mas a vida dele transformou-se em provações. Couch não disparou para o sucesso, e teve de enfrentar uma maratona de 16 anos e as dificuldades de três diferentes torneios “menores”. Foi provado a ponto de desistir, mas Couch perseverou e, apenas aos 32 anos, tornou-se o ganhador do campeonato nacional pela primeira vez. A sua persistência lhe trouxe um resultado feliz, embora não tenha sido fácil.

Em seu livro, Uma longa obediência na mesma direção, (Mundo Cristão, 2006) o autor e professor de estudo bíblico Eugene Peterson, nos lembra de que a vida cristã tem muito mais em comum com a maratona do que com a corrida dos 100 m. Peterson diz que somos chamados a perseverar na “corrida de longa distância, algo que faça valer a pena viver”.

Com a graça e força de Cristo, também podemos correr “com perseverança” a corrida da vida (Hebreus 12:1). E, tendo o exemplo de nosso Senhor para nos ajudar e encorajar, podemos — como o apóstolo Paulo — correr para ganhar o prêmio de uma coroa “incorruptível” (1 Coríntios 9:25). Sempre é cedo demais para desistir.