Our Authors

ver tudo

Articles by Bill Crowder

Guardas de cera

Por diversos anos, nossa família viveu numa pequena cidade onde eu pastoreava uma igreja. A comunidade na qual vivíamos não tinha recursos para financiar policiais para patrulhar completamente as ruas. Por isso havia uma preocupação genuína com a falta de segurança quanto aos motoristas imprudentes.

O poder da influência

No dia 9 de fevereiro de 1964, os Beatles apareceram na televisão e cativaram a juventude do mundo todo. Depois de ouvir a música e observar o visual deles, fiz o que milhões de jovens fizeram — pedi a meus pais que me deixassem usar cabelos compridos.

Existir ou viver?

Ao visitar a Disneylândia com minha família, observei o letreiro no arco de entrada que dizia: “Bem-vindo ao lugar mais feliz da terra.” No restante do dia, olhei para os rostos das pessoas e fiquei impressionado pelo pequeno número dos que estavam verdadeiramente sorrindo durante o seu passeio “ao lugar mais feliz da terra”. Percorri o parque com a atenção dividida — tentando assegurar que meus filhos tivessem um tempo agradável e imaginando por que tão poucos adultos pareciam estar se divertindo.

Fome espiritual

Em uma história de ficção, um vírus destrói as plantações do mundo. Não somente os jardins, mas os cereais, incluindo trigo, cevada, centeio, aveia e arroz. Em meses, o mundo mergulha na fome e na violência. As pessoas começam a lutar; depois a matar, por comida.

Testemunho silencioso

Numa manhã bonita e quente do mês de janeiro, um colega e eu estávamos tomando café na cafeteria de um parque em Singapura. Com um lindo lago e jardins bem cuidados a nos cercar, o lugar estava tranquilo, calmo e gostoso, com uma leve brisa soprando sobre as águas.

Perspectiva eterna

No filme O Gladiador, o general Maximus Meridius procura incitar sua cavalaria a lutar bravamente na iminente batalha contra a Germânia. Dirigindo-se às tropas, ele as desafia a darem seu melhor, e faz essa profunda afirmação: “O que fazemos na vida ecoa na eternidade.”

O que realmente importa

Quando os nossos filhos ainda moravam conosco, uma das nossas tradições mais significativas da manhã de Natal era muito simples. Nossa família se reunia ao redor da árvore de Natal, diante dos presentes que havíamos recebido um do outro e, juntos, líamos a história do nascimento de Jesus. Era uma adorável lembrança de que a razão pela qual nos presenteávamos não era porque os magos trouxeram presentes para o menino Jesus. Pelo contrário, nossos presentes de amor uns para os outros eram o reflexo do presente do amor Deus por nós, que é infinitamente maior.

Um Natal ucraniano

Ao comemorar o Natal, os ucranianos incluem muitos elementos maravilhosos à sua celebração. Às vezes tufos de feno são colocados sobre a mesa de jantar como um lembrete da manjedoura em Belém. Em outros momentos de sua celebração, evocam os eventos da noite em que o Salvador entrou no mundo. Fazem uma oração de Natal e, em seguida, o pai da família faz a saudação: “Cristo nasceu!” A família, então, responde: “Vamos glorificá-lo!”

Xadrez humano

O xadrez é um jogo de estratégia antigo. Cada jogador começa com 16 peças no tabuleiro com o objetivo de encurralar o rei do oponente. O jogo tomou diferentes versões ao longo dos anos. Uma delas é o xadrez humano, criado por Carlos Martel, duque da Austrásia, em 735 d.C. Martel jogava com tabuleiros gigantes utilizando pessoas como peças. As pessoas fantasiadas refletiam seu status no tabuleiro e eram movidas ao capricho dos jogadores — manipuladas para seus próprios fins.

O calor do sol

Os Beach Boys, Brian Wilson e Mike Love, num dia de novembro de 1963, compuseram uma canção relativamente diferente das melodias animadas da banda. Era uma canção pesarosa sobre um amor perdido. Love, mais tarde, disse: “Por mais difícil que esse tipo de perda possa ser, o que fica de bom é ter tido a experiência de estar apaixonado.” Eles intitularam a canção como The Warmth of the Sun (O calor do sol).

Arrastando o Natal?

Amo o Natal, pois é a celebração do nascimento de Cristo e, a beleza e a maravilha da estação fazem dele “a época mais maravilhosa do ano”. Ultimamente, entretanto, a estação vem acompanhada de crescente irritação. Todos os anos “os preparativos de Natal” surgem cada vez mais cedo — arrastando-se da primavera até o dia de Natal.

Tópicos relacionados

> Estudos

Páscoa e o perdão de Deus

A morte de Cristo teve alcance ilimitado e por Ele recebemos o perdão pelos pecados passados, presentes e futuros. O perdão de Deus é de uma vez por todas e completo.

Família dos sonhos?

A autora, Elisa Morgan, diz que nós aceitamos o mito da família perfeita e afirma: “Promessas prontas a respeito da família podem ter surgido com boas intenções, mas esta forma de pensar não é realista, em nada ajuda e nem faz bem.”

A família é uma instituição imperfeita. Pessoas desestruturadas se tornam pais desestruturados que constroem famílias sem estrutura. Mas, na…

Os dois ladrões

No ano 33 d.C. a crucificação de três homens mudou o curso da história. Seus executores martelaram lhes os pulsos e tornozelos. Cena comum naquela época, e ainda falamos sobre elas hoje. Um deles morreu sentindo-se culpado e com culpa sobre si. Outro morreu como pecador, mas sem a culpa sobre si. O terceiro morreu com a culpa sobre si,…

> Pão Diário

Jogo de culpa

Um funcionário público está processando o município por danos, depois de ter ele mesmo batido com um caminhão da prefeitura em seu próprio carro estacionado. Ele argumenta que “o veículo da prefeitura danificou seu veículo particular”, e por isso o município lhe deve aproximadamente sete mil reais. Por mais ridículo que isso possa parecer, culpar os outros tem sido uma característica básica do ser humano, desde o início.

Escolhas

Certa vez, um amigo me disse: “Compreendi que minha vida não é constituída pelos sonhos que tenho, mas pelas escolhas que faço.”

Morto ou vivo

Visitantes de todo o mundo esperam em longas filas, dia após dia, para visitar a tumba de Lenin e ver seu corpo embalsamado. Embora ele tenha morrido em 1924, seu cadáver aparentemente não sofreu decomposição. Apresenta o aspecto de como era quando vivo. Porém é, sem dúvida, enganoso. Artistas habilidosos monitoram o cadáver preservado, colorindo artificialmente seu rosto e usando massa para preencher qualquer linha ou o menor sinal de decomposição.