Numa manhã bonita e quente do mês de janeiro, um colega e eu estávamos tomando café na cafeteria de um parque em Singapura. Com um lindo lago e jardins bem cuidados a nos cercar, o lugar estava tranquilo, calmo e gostoso, com uma leve brisa soprando sobre as águas.

Na mesa próxima, uma jovem mulher estava sentada lendo a Bíblia silenciosamente. E estava tão absorvida no texto, que olhava ocasionalmente para cima a fim de considerar o que estava lendo. Ela não falou nenhuma palavra, mas seu coração e suas prioridades eram visíveis a todos naquela cafeteria. Foi uma testemunha gentil, firme, silenciosa.

Aquela moça não se envergonhou de Cristo nem de Seu livro. Ela também não deu um sermão nem cantou uma canção. Estava disposta a ser identificada com o Salvador, mas não precisou anunciar essa lealdade.

Em nossas tentativas de compartilhar a mensagem de Jesus, às vezes, precisamos usar palavras porque, em última instância, as palavras são necessárias para apresentar o evangelho. Mas podemos também aprender com o exemplo daquela mulher.

Há momentos que o silêncio dos nossos atos diários fala alto, revelando nosso amor pelo Senhor. Em nosso desejo de compartilhar Cristo com o mundo perdido, não ignoremos o poder do nosso testemunho.