Arquivos: outubro 2012

Algo a ocultar

Se você tem algo a ocultar, quem sabe, Mike Slattery pode ter a solução. Vários anos atrás, uma operadora de telefonia celular quis colocar uma antena em sua propriedade e disfarçá-la de pinheiro. Mike teve uma ideia melhor e construiu um falso celeiro com painéis de vinil, que permitiam a passagem das ondas de rádio. Ele transformou esse conceito em uma empresa de construção de estruturas para ocultar antenas por motivos de estética e segurança. De acordo com o jornal The Gazette, Colorado Springs, EUA, (A Gazeta) Slattery está convencido de que muitos de seus vizinhos ainda não têm ideia do que existe dentro de seu celeiro.

Fique firme

Enquanto esperava para entrar à direita num cruzamento com tráfego intenso, uma ambulância apareceu no topo de uma colina, vindo velozmente em minha direção. Alguém atrás buzinou para mim, incitando-me a entrar numa rua transversal. Eu sabia que a probabilidade de a ambulância parar era pequena e que fazer a conversão seria desastroso. Então, mantive meu pé no pedal de freio e permaneci onde estava.

Fazendo diferença

A história de Elizabeth era comovente, para dizer o mínimo. Após uma experiência terrivelmente humilhante no local onde estava, ela tomou um ônibus para outro estado, para fugir de seu constrangimento. Chorando descontroladamente, ela quase não percebeu que o ônibus fizera uma parada no caminho. Um passageiro sentado atrás dela, um total desconhecido, começou a sair do ônibus quando, de repente parou, virou-se e foi até Elizabeth. Ele viu suas lágrimas e lhe entregou sua Bíblia, dizendo pensar que ela poderia precisar. Ele estava certo. Ela não necessitava somente da Bíblia, mas também do Cristo sobre quem a Bíblia fala. Elizabeth o recebeu como resultado desse simples ato de compaixão de um estranho que lhe presenteara.

À distância

Uma canção popular do passado, chamada “À distância”, imagina um mundo de harmonia e paz. Ela diz: “Deus nos observa à distância.” Deveras, Deus nos observa, mas não à distância. Ele está presente no quarto com você, bem à sua frente, olhando-o com amor irrestrito em Seus olhos.

Titanic II

Mark Wilkinson comprou um barco de aproximadamente 5 metros para pesca e recreação. Aparentemente, ele não era supersticioso, pois batizou seu barco de Titanic II, como o navio de luxo que bateu numa geleira e afundou em 1912. A viagem inaugural do Titanic II a partir de um porto em Dorset, na Inglaterra, ia bem. Mas, quando Wilkinson voltava, o barco começou a encher-se de água. Logo, ele estava agarrado a um balaústre, aguardando o resgate. Registra-se que Wilkinson disse: “É um pouco embaraçoso, e fiquei farto de as pessoas me perguntarem se eu havia batido numa geleira.” Isso foi acompanhado por uma testemunha ocular, que disse: “Não era um barco muito grande — acho que um cubo de gelo poderia tê-lo afundado!”

Até ela?

Imagine percorrer sua árvore genealógica e encontrar essa descrição de sua ancestral: “Prostituta, abrigou em sua casa inimigos do governo. Quando confrontada pelas autoridades, ela mentiu a respeito do fato.”

Vislumbre da glória

Todo verão, milhares de espectadores de um programa matinal votam para escolher “O lugar mais bonito do país.” Gostei muito quando anunciaram o vencedor do ano anterior, pois era um local em meu estado natal. Admito que não esperava que o lugar vencedor estivesse tão próximo do local onde moro. Isso me fez recordar a ocasião em que minha mulher e eu visitamos as cataratas de Niágara, [na fronteira entre EUA e Canadá]. Um homem que estava próximo percebeu nosso comportamento de turistas e, espirituosamente, disse: “Nada de mais, vejo isso todo dia.”

Eloquente, mas humilde

Admiro as pessoas capazes de articular suas crenças e persuadir outras com sua retórica. Alguns chamam a isso “o dom da loquacidade” ou “ter jeito com as palavras”. Outros chamam “eloquência”.

Confiar no amor

Talvez a mais dolorosa declaração que uma pessoa possa ouvir é: “Não o amo mais.” Essas palavras terminam relacionamentos, partem corações e despedaçam sonhos. Frequentemente, pessoas que foram traídas se resguardam contra a dor futura decidindo-se a não confiar novamente no amor de alguém. Essa convicção pré-estabelecida pode até incluir o amor de Deus.

Dê graças

Durante o inverno não temos muitos dias ensolarados em Lansing, Michigan, EUA. Mas, no ano passado, Deus nos abençoou com um desses dias lindos e parecia que quase todas as pessoas estavam agradecendo a Deus, exceto eu. Ao sair de meu escritório, um homem disse: “Que lindo dia temos hoje. É um presente de Deus!” — ao que eu repliquei: “Sim, mas vai nevar esta semana.” Que ingratidão!

Dia de colheita

Certa tarde de outono, passei de carro por um campo no qual um fazendeiro estacionara um enorme maquinário ao lado da estrada. Uma placa amarela dizia: “Estamos em colheita.” Ao dar uma olhada no campo, reconheci instantaneamente o que o fazendeiro plantara vários meses antes — minúsculas sementes de milho. Sabia disso porque ele estava se preparando para conduzir sua colheitadeira através de hectares de pés de milho maduros.

Observando e aguardando

No livro de Isaías 18, parece que o mundo todo é posto em batalha contra o povo de Deus. Contudo, qual é a reação do Todo-poderoso? “Olhando da minha morada, estarei calmo…” (v.4). Sua quietude pode parecer ter sido uma aceitação da conspiração contra o Seu povo. Mas, não era. A reação de Deus foi Seu lembrete de que Ele age no Seu tempo — no momento exato e segundo a Sua vontade.